Mutações do coronavírus podem ocorrer em pacientes de COVID-19 crónica

Mutações do coronavírus SARS-CoV-2 podem estar surgir em pacientes de COVID-19 grave com longo período de tratamento. Os cientistas manifestam preocupação de que as mutações do coronavírus possam afetar a eficácia das atuais vacinas.

0
Mutações do coronavírus podem ocorrer em pacientes de COVID-19 crónica
Mutações do coronavírus podem ocorrer em pacientes de COVID-19 crónica. Foto: © Rosa Pinto

As mutações do coronavírus SARS-CoV-2 semelhantes às da variante B1.1.7 do Reino Unido podem surgir em casos de infeção de COVID-19 crónica, quando o paciente é submetido a tratamento por um período prolongado de tempo dando ao vírus várias oportunidades de evolução, indicam cientistas da Universidade de Cambridge.

Os cientistas observaram num paciente imunocomprometido, tratado com plasma convalescente, o surgimento de uma mutação chave que também tinha sido observada na nova variante B1.1.7, que levou o Reino Unido a ser forçado, mais uma vez, a um confinamento mais restritivo. No entanto, não há nenhuma indicação de que a variante tenha sido originada do paciente.

Mutações do coronavírus

Usando uma versão sintética da proteína “Spike” do coronavírus criada em laboratório, a equipa mostrou que mudanças específicas no código genético – a mutação observada na variante B1.1.7 – tornaram o vírus duas vezes mais infecioso nas células do que a estirpe mais comum.

O SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, é um betacoronavírus. O ARN – o código genético – é composto por uma série de nucleótidos (estruturas químicas representadas pelas letras A, C, G e U). À medida que o vírus se replica, esse código pode ser transcrito incorretamente, levando a erros, conhecidos como mutações. Os coronavírus têm uma taxa de mutação relativamente modesta em cerca de 23 substituições de nucleótidos por ano.

As mutações preocupantes

As mutações preocupantes são as que podem alterar a estrutura da proteína “Spike”, que fica na superfície do vírus, e que lhe dá a forma característica de coroa. O vírus usa essa proteína para se ligar ao recetor ACE2 na superfície das células do hospedeiro, permitindo a entrada nas células, onde sequestra a sua maquinaria para se replicar e se espalhar por todo o corpo. A maioria das vacinas atualmente em uso ou em teste tem como alvo a proteína “Spike” e existe a preocupação de que as mutações possam afetar a eficácia dessas vacinas.

Os investigadores do Reino Unido, dentro do Consórcio COVID-19 Genomics UK, liderados por cientistas da Universidade de Cambridge identificaram uma variante particular do coronavírus que inclui mudanças importantes que parecem torná-lo mais infecioso: a deleção de aminoácidos ΔH69 / ΔV70 em parte da proteína “Spike” é uma das principais mudanças nesta variante.

Mutações do coronavírus observadas em paciente de COVID-19

Embora a deleção de aminoácidos ΔH69 / ΔV70 tenha sido detetada várias vezes, até agora, os cientistas não os tinham visto surgir num indivíduo. No entanto, num estudo agora publicado na revista científica Nature, investigadores da Universidade de Cambridge documentam como essas mutações apareceram num paciente COVID-19 admitido no Hospital Addenbrooke, que faz parte dos Hospitais Universitários de Cambridge.

O paciente de COVID-19 era um homem de setenta anos que já tinha sido diagnosticado com linfoma de células B marginais e que recentemente tinha recebido quimioterapia, o que significa que o seu sistema imunológico estava seriamente comprometido. Após a admissão no hospital, o paciente recebeu uma série de tratamentos, incluindo remdesivir e plasma convalescente, ou seja, recebeu plasma contendo anticorpos retirados do sangue de um paciente que eliminou o vírus do corpo com sucesso. Apesar da condição inicial ter estabilizado, mais tarde começou a piorar. O paciente foi internado na unidade de cuidados intensivos e recebeu tratamento adicional, mas morreu posteriormente.

Durante o internamento do paciente, fora recolhidas 23 amostras virais para análise, a maioria do nariz e garganta. Os vírus foram sequenciados e os pesquisadores observaram a mutação do genoma do vírus.

Entre os dias 66º e 82º, após as duas primeiras administrações de soros convalescentes, a equipa observou uma mudança dramática na população de vírus, com uma variante com deleções de aminoácidos ΔH69 / ΔV70, ao lado de uma mutação na proteína “Spike” conhecida por D796H, tornou-se dominante. Embora essa variante parecesse inicialmente estar a desaparecer, a mesma reapareceu novamente quando já se estava na terceira administração de remdesivir e a terapia de plasma convalescente tinha sido administrada.

Influência da terapia de plasma convalescente

O cientista Ravi Gupta, do Instituto de Imunologia Terapêutica e Doenças Infeciosas da Universidade de Cambridge, que liderou a investigação, referiu: “O que estávamos a ver era essencialmente uma competição entre diferentes variantes do vírus, e achamos que essa competição tinha sido impulsionada pela terapia de plasma convalescente.

“O vírus que acabou por vencer – que tinha a mutação D796H e deleções ΔH69 / ΔV70 – ganhou inicialmente vantagem durante a terapia de plasma convalescente antes de ser superado por outras estirpes, mas ressurgiu quando a terapia foi retomada. Uma das mutações é a da nova variante do Reino Unido, embora não haja nenhuma indicação de que o paciente esteja entre os que, pela primeira vez, tiveram a variante. ”

Sob condições estritamente controladas, os cientistas criaram e testaram uma versão sintética do vírus com as deleções ΔH69 / ΔV70 e mutações D796H individualmente e em conjunto. As mutações combinadas tornaram o vírus menos sensível à neutralização por plasma convalescente, embora pareça que a mutação D796H sozinha foi responsável pela redução da suscetibilidade aos anticorpos no plasma. A mutação D796H por si só levou a uma perda de infeção na ausência de plasma, típica de mutações que os vírus adquirem para escapar da pressão imune.

Os investigadores descobriram que a deleção ΔH69 / ΔV70 por si só tornava o vírus duas vezes mais infecioso do que a variante anteriormente dominante. Os investigadores acreditam que o papel da exclusão foi compensar a perda de infeciosidade devido à mutação D796H. Este paradigma é clássico para vírus, em que as mutações de escape são seguidas ou acompanhadas por mutações compensatórias.

Mutações na proteína “Spike” e as vacinas

“Dado que tanto as vacinas quanto as terapêuticas têm como alvo a proteína “Spike”, que vimos sofrer mutação no nosso paciente, o nosso estudo levanta a possibilidade preocupante de que o vírus possa sofrer mutação para enganar as nossas vacinas”, acrescentou Ravi Gupta.

“É improvável que esse efeito ocorra em pacientes com sistema imunológico a funcionar, onde a diversidade viral provavelmente será menor devido a um melhor controlo imunológico. Mas destaca o cuidado que devemos ter ao tratar pacientes imunocomprometidos, onde a replicação viral prolongada pode ocorrer, dando maior oportunidade para o vírus sofrer mutação”, conclui o cientista.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!