Mutações genéticas BRCA e o cancro: um conhecimento que pode salvar vidas

Mutações nos genes BRCA levam a que mais de 69% das mulheres desenvolva cancro da mama. No Mês Internacional de Prevenção do Cancro da Mama, outubro a campanha “saBeR mais ContA” partilha informação e conhecimento.

0
Mutações genéticas BRCA e o cancro: um conhecimento que pode salvar vidas
Mutações genéticas BRCA e o cancro: um conhecimento que pode salvar vidas. Foto: DR

Estudos de investigação revelam que cerca de 72% das mulheres portadoras de mutações patogénicas no gene BRCA1 e cerca de 69% das mulheres portadoras de mutações patogénicas no gene BRCA2 vão desenvolver cancro da mama até aos 80 anos.

Para Tamara Milagre, presidente da Evita – Associação de Apoio a Portadores de Alterações nos Genes Relacionados com Cancro Hereditário, a hereditariedade do cancro da mama gera cada vez mais curiosidade, mas é também onde se sente “uma enorme falta de consciencialização de alguns profissionais de saúde, como o médico de família, que está na linha da frente e que muitas vezes desconhece a possibilidade de haver uma síndrome de cancro hereditário na família, mesmo tendo os casos todos pela frente”.

Neste mês de outubro, quando se assinala o Mês Internacional de Prevenção do Cancro da Mama, as mutações do gene BRCA vão estar em destaque com a campanha “saBeR mais ContA”. A campanha inclui a sessão de esclarecimento “As mutações genéticas BRCA e o cancro”.

A sessão decorre dia 17 de outubro, pelas 15h00, no Auditório do IPO Lisboa. Uma conversa moderada por Adelaide de Sousa e que conta com especialistas na área da oncologia e genética humana, associações de doentes e testemunhos reais.

“Antes da pessoa saber se é portador de mutação, a primeira abordagem, na maioria dos casos, é ‘Como posso fazer o teste genético?’” e “depois, as dúvidas dependem da situação” e costumam ser muitas, e algumas sem resposta.

“O maior desafio atualmente é o seguimento correto numa consulta multidisciplinar, pois os centros especializados precisam de aumentar a sua capacidade de resposta para quem decide avançar com cirurgias preventivas”, referiu Tamara Milagre, que confirma que “o tempo de espera neste momento é bastante longo em algumas instituições”.

O cancro da mama é um tumor que, apesar de ser dos que apresenta maior capacidade de prevenção secundária, “tem uma alta incidência e uma alta mortalidade”, esclareceu Vítor Rodrigues, presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC). Para o especialista, é “a combinação do diagnóstico precoce e, particularmente do rastreio, e os progressos terapêuticos alcançados que permitiram uma significativa diminuição da taxa de mortalidade”, mas no entanto considerada “insuficiente”.

“É necessário também que o cancro da mama diagnosticado seja objeto, por parte das instituições de saúde (estruturando a oferta do serviço) e dos médicos (referenciando os casos suspeitos), de atenção quanto à possibilidade, felizmente diminuta, de se estar perante uma síndrome familiar. Caso esta exista, pode permitir formas de prevenção dirigidas a familiares que podem estar em risco”.

No que diz respeito aos testes que identificam as mutações genéticas, Isália Miguel, oncologista do IPO Lisboa, esclareceu: “Uma pessoa saudável pode ser referenciada se tiver confirmada uma mutação no gene BRCA1 ou BRCA2 num familiar próximo”, devendo também ser referenciados “utentes em cuja família existam diagnósticos oncológicos, nas seguintes situações:

tenham ascendência judaica e um ou mais casos de cancro da mama ou ovário;

haja três casos de cancro da mama em duas gerações consecutivas, com um diagnosticado antes dos 50 anos em familiares de primeiro grau;

exista um caso de cancro de mama e um caso de cancro do ovário em familiares de primeiro grau;

hajam dois casos de cancro do ovário e agregação de casos de cancro da mama e cancro da próstata (pelo menos dois casos, um deles antes dos 65 anos)”.

Quanto à referenciação, esta deve ser feita “pelo médico de família, por médicos de especialidades hospitalares, ou a pedido do próprio ou da família”, pedidos que “são sujeitos a uma triagem prévia pela equipa médica e de enfermagem da clínica de risco familiar”.

Após a entrega do resultado do teste genético, “é feito aconselhamento, que inclui não só uma proposta de vigilância (clínica, imagiológica e analítica) e estratégias de redução de risco. No que diz respeito aos familiares, é explicado ao doente que existe 50% de risco de transmissão da mutação ao longo das gerações e que esta é independente do sexo, sendo os seus familiares convidados a fazer o teste genético”.

A campanha “saBeR mais ContA”, é uma iniciativa da Evita, da Liga Portuguesa Contra o Cancro, da Sociedade Portuguesa de Genética Humana, da Sociedade Portuguesa de Ginecologia, da Sociedade Portuguesa de Senologia e da Sociedade Portuguesa de Oncologia e da AstraZeneca.

A campanha conta ainda com uma exposição fotográfica, com testemunhos de famílias onde houve diagnóstico de cancro da mama e/ou ovário, associados à mutação BRCA, e outros que realizaram o teste genético. A exposição poderá ser vista até 21 de outubro na estação de metro do Marquês de Pombal, em Lisboa, junto ao acesso à linha amarela.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!