Nova opção de tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica

Estudo mostra que o ácido nor-ursodesoxicólico é uma opção de tratamento eficaz para a doença hepática gordurosa não alcoólica. O estudo é de uma equipa da Universidade Médica de Viena.

0
Nova opção de tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica
Nova opção de tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica. Foto: © Rosa Pinto

Há um efeito benéfico do ácido biliar produzido sinteticamente com o agente ativo ácido nor-ursodesoxicólico (nor-urso) na doença hepática, até agora incurável, a Colangite Esclerosante Primária (CEP). Esta conclusão foi demonstrada por uma equipa médica liderada por Michael Trauner, da Divisão de Gastroenterologia e Hepatologia da Universidade Médica de Viena.

Um estudo recente demonstrou que o nor-urso também é uma opção de tratamento eficaz para a doença hepática gordurosa não alcoólica. Os resultados da investigação foram já publicados na revista “The Lancet Gastroenterology & Hepatology“.

Milhões de pessoas na Europa e mais de um quarto da população austríaca sofre de uma forma de doença hepática gordurosa não-alcoólica, “geralmente causada por um estilo de vida pobre com muita comida gordurosa e açucarada e muito pouco exercício, que frequentemente também anda de mãos dadas com a obesidade”. Entre 35 e 50% de pessoas na faixa etária dos 50 aos 60 anos possui um fígado gorduroso.

A doença hepática gordurosa é uma condição silenciosa que geralmente só é descoberta acidentalmente. No entanto, as consequências a longo prazo podem ser graves e podem até levar à cirrose e cancro do fígado. Cerca de 10 a 30% de todas as doenças do fígado gordo são classificadas como a forma mais perigosa de esteatose hepática gordurosa, que por sua vez evolui para cirrose hepática em 15 a 25% dos casos.

Stefan Traussnigg do Departamento de Medicina III da Universidade Médica de Viena, e principal autor do estudo, referiu: “O estudo da Fase IIa do nor-urso que concluímos recentemente com a ajuda de inúmeros centros austríacos e alemães mostra resultados positivos quando usado na doença hepática gordurosa não alcoólica”.

Os investigadores descobriram que o ácido biliar produzido sinteticamente “protege” o fígado da inflamação, que poderia levar a fibrose. Os investigadores usaram o efeito hormonal do ácido biliar como alvo.

Michael Trauner explicou: “O ácido biliar circula pelo corpo como um hormonio esteroide e regula muitos processos metabólicos. Na doença hepática gordurosa, é como se uma resistência aos ácidos biliares se desenvolvesse, de modo que esses processos deixassem de funcionar adequadamente. Nor-urso intensifica o efeito hormonal do ácido biliar”. Isso dá aos pacientes um prognóstico muito melhor no desenvolvimento da doença.

Os investigadores da Universidade Médica de Viena pretendem realizar mais estudos para testar se nor-urso também ajuda a inibir as causas mais comuns de morte na doença hepática gordurosa, ou seja, doenças cardiovasculares como ataques cardíacos ou derrames, melhorando assim a expectativa de vida em geral. “Seria lógico esperar isso – e estamos otimistas. Mas ainda não verificamos”, lembrou Michael Trauner.

Medicina personalizada em hepatologia

Hepatologistas da Universidade Médica de Viena, considerados líderes mundiais no estudo das doenças hepáticas e das vias biliares, desenvolveram duas outras opções terapêuticas usando o ácido biliar, que já foram divulgadas. Uma outra abordagem visa a ativação do recetor de ácido biliar FXR (um sensor para ácido biliar). Este recetor está envolvido em processos importantes, como a regulação do metabolismo de lipídios e glicose e a síntese e circulação do ácido biliar.

Os dados de um estudo de Fase III sobre o uso de ácido obeticólico na colangite biliar primária, como o primeiro ligante de FXR clinicamente disponível, foram publicados este ano. “Este foi recentemente aprovado como um tratamento de segunda linha para a colangite biliar primária e que também mostrou efeitos benéficos no fígado gorduroso”, referiu Michael Trauner.

Além do ácido obeticólico, já existem outros novos ativadores ou ligantes de FXR disponíveis, que não possuem uma estrutura de ácidos biliares (os chamados ligantes de FXR não esteroides) e que, portanto, são mais bem tolerados. Estes ligantes podem igualmente produzir os primeiros resultados positivos na colangite biliar primária.

“Essas opções promissoras dão-nos agora mais três possibilidades de tratamento individual, no âmbito da medicina personalizada, utilizando as propriedades de sinal e os efeitos hormonais dos ácidos biliares. No futuro, poderemos usá-los em combinados para ajudar os pacientes”, concluiu Michael Trauner.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!