Nova vacina COVID-19 para responder às necessidades globais

Investigadores do Centro de Vacinas Jefferson na Universidade Thomas Jefferson desenvolveram uma vacina COVID-19 que pode cobrir as necessidades globais. A vacina usa parte do novo coronavírus, a proteína spike, e outra vacina já existente.

0
Nova vacina contra coronavírus para responder às necessidades globais
Nova vacina contra coronavírus para responder às necessidades globais. Foto: © Rosa Pinto

Qualquer nova vacina contra o coronavírus eficaz e segura terá ainda o grande desafio de precisar ser produzida em grande escala num período muito curto de tempo. Também terá que ser entregue com segurança nas mãos das populações mais remotas. Quanto mais complexa e não testada for a abordagem da vacina, mais difícil será dimensionar a sua produção e distribuí-la em todo o mundo.

Vacina CORAVAX

Ao construir uma vacina em cima de outra vacina já existente, segura e eficaz, com centros de produção já bem estabelecidos e atualmente ativos, uma que poderá ser feito para armazenamento, investigadores do Centro de Vacinas Jefferson na Universidade Thomas Jefferson tem um candidato a vacina COVID-19 que pode cobrir uma necessidade global.

“O nosso candidato a vacina, CORAVAX, é feito a partir de parte do coronavírus atual e é combinado com outra vacina comprovada que serve como uma espécie de transportadora”, referiu Matthias Schnell, diretor do Centro de Vacinas Jefferson. “O benefício é que a vacina ‘transportadora’ já foi rigorosamente testada e demonstrou ser segura e eficaz. Já existem unidades de produção em todo o mundo em funcionamento e com o know-how tecnológico para produzir grandes quantidades da vacina”.

“É provável que esta pandemia atinja todos os cantos do nosso planeta”, referiu Mark Tykocinski, reitor e vice-presidente executivo para os assuntos académicos da Universidade Thomas Jefferson e decano da Sidney Kimmel Medical College. “Essa é uma escala sem precedentes. Precisamos de uma vacina que não seja apenas segura e eficaz, mas também que possa ser feita em escala e de maneira a atingir potencialmente toda a população do mundo. O CORAVAX tem esse potencial. ”

O CORAVAX é uma vacina fabricada a partir de uma parte do SARS-COV-2, o vírus que causa a doença de COVID-19. Em vez de usar o vírus inteiro, Matthias Schnell e a equipa de cientistas usam apenas parte do virus, a proteína spike, um componente que provavelmente gera uma resposta imune protetora.

Hoje, muitas vacinas são preparadas usando outra vacina como ‘transportadora’ para o vírus de interesse. No caso da vacina CORAVAX, esse transportador é uma vacina antirrábica morta que possui a porção do vírus SARS-COV-2 como um componente adicionado, essencialmente é uma vacina “às cavalitas” de outra. Quando vacinada, uma pessoa desenvolveria anticorpos contra a raiva e o coronavírus.

Unidades de produção instaladas

O benefício de usar a raiva como uma vacina ‘portadora’ é a velocidade de produção, referiu Matthias Schnell. “Já existem pelo menos 20 unidades em todo o mundo a produzir cerca de 100 milhões de doses por ano de vacina contra a raiva. Estas unidades já têm os meios e o know-how para produzir esta vacina. Estamos adicionar um pequeno componente.” Também a produção tem um custo relativamente baixo, o que é importante para uma vacina que pode ter de se disponibilizar a milhares de milhões.

“A novidade não é sua amiga quando precisa de vacina em tempo real”, referiu Tykocinski. “Temos que desenvolver uma vacina com a promessa de chegar a uma produção em larga escala. As apostas são altas demais para poder falhar nos estágios finais do desenvolvimento ou por não poder ser produzida em quantidade. ”

Vantagens da vacina CORAVAX

Além disso, algumas vacinas requerem armazenamento em frio a menos 80 graus centígrados, o que limita o uso em áreas remotas. Por outro lado, a vacina contra a raiva pode ser produzida numa forma desidratada, estável nas prateleiras, fácil de reconstituir em qualquer lugar.

“Já começamos o teste de segurança da vacina CORAVAX em animais. E sabemos que a vacina contra a raiva tem um excelente perfil de segurança ”, referiu Schnell. “Essa vacina é segura em crianças, mulheres grávidas, em diversas populações e geralmente gera proteção ao longo da vida”.

Em outro sinal encorajador, é de que a equipa de Schnell demonstrou segurança anteriormente com uma vacina antirrábica para outros coronavírus altamente semelhantes ao SARS-CoV-2. As vacinas da equipa para os coronavírus que causou a epidemia de SARS em 2003 e MERS em 2012 foram comprovadamente seguras e eficazes em modelos animais dessas doenças.

A vacina vai concluir os testes em animais e de seguida passar para os ensaios clínicos da fase I de segurança nas pessoas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!