Novo coronavírus parece não infetar a córnea do olho

Investigadores descobriram que a córnea do olho resiste à infeção pelo novo coronavírus, que causa a COVID-19. A descoberta pode indicar que não são necessários óculos ou viseiras para os olhos para nos protegermos contra infeções pelo coronavírus.

0
Novo coronavírus parece não infetar a córnea do olho
Novo coronavírus parece não infetar a córnea do olho. Rajendra S. Apte. Foto: Faculdade de Medicina da Universidade de Washington

Investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, EUA, verificaram que a córnea do olho pode resistir à infeção pelo novo coronavírus. O vírus herpes simplex pode infetar a córnea e espalhar-se para outras partes do corpo em pacientes com sistema imunológico comprometido, e o vírus Zika foi encontrado em lágrimas e em tecido da córnea, mas o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, parece que não se replica na córnea humana.

Os investigadores indicam, no entanto, que ainda precisam de determinar se outros tecidos dentro e ao redor da córnea, como os dutos lacrimais e a conjuntiva, são vulneráveis ​​ao vírus.

“As descobertas não provam que todas as córneas são resistentes”, referiu Jonathan J. Miner, primeiro autor estudo, já publicado na revista científica Cell Reports. “Mas cada córnea de doador que testamos era resistente ao novo coronavírus. Ainda é possível que um subconjunto de pessoas possa ter córneas que suportam o crescimento do vírus, mas nenhuma das córneas que estudamos suportou o crescimento de SARS-CoV-2.”

Jonathan J. Miner, professor assistente de medicina, de microbiologia molecular e de patologia e imunologia, juntou-se ao oftalmologista Rajendra S. Apte, para estudar córneas de ratos e de humanos expostas aos vírus herpes simplex, Zika e SARS-CoV-2.

“Alguns pacientes com COVID-19 apresentam sintomas oculares, como conjuntivite, mas não está claro se a própria infeção viral causa isso; pode estar relacionado à inflamação secundária”, referiu Rajendra S. Apte. “Sabe-se que a córnea e a conjuntiva têm recetores para o novo coronavírus, mas nos estudos, descobrimos que o vírus não se replica na córnea.”

Anteriores investigações em tecido córneo humano e de rato demonstraram que o vírus Zika pode ser derramado em lágrimas, e os investigadores queriam saber se a córnea poderia servir como um ponto de entrada para o SARS-CoV-2. Rajendra S. Apte, Jonathan J. Miner e outros investigadores envolvidos no estudo testaram isso expondo o tecido ocular a diferentes vírus e observando se eles poderiam crescer e replicar-se. Eles também identificaram as principais substâncias no tecido da córnea que podem promover ou inibir o crescimento viral.

Os investigadores identificaram um inibidor, o interferon lambda, e descobriram que esse inibidor impedia o crescimento eficiente do vírus Zika e do vírus herpes simplex na córnea. Mas com o SARS-CoV-2, os níveis da substância não afetaram a capacidade de replicação do vírus. Ele simplesmente não conseguia firmar-se, independentemente da presença ou não do interferon.

Para Rajendra S. Apte o COVID-19 não pode, provavelmente, ser transmitido por meio de um transplante de córnea ou procedimentos semelhantes no olho. “Os dados sugerem que o novo coronavírus não parece ser capaz de penetrar na córnea”.

Jonathan J. Miner acrescentou, no entanto, que por causa das incógnitas envolvendo os dutos lacrimais e a conjuntiva, é muito cedo para descartar a importância da proteção ocular.

“É importante respeitar o que esse vírus é capaz e tomar as devidas precauções”, referiu Jonathan J. Miner. “Podemos aprender que não são necessários óculos ou viseiras para os olhos para proteger contra infeções a comunidade em geral, mas os nossos estudos estão apenas no início. Precisamos de estudos clínicos maiores para nos ajudar a entender melhor todas as rotas potenciais de transmissão da SARS-CoV-2, incluindo o olho.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!