Novo medicamento protege doentes com Alzheimer de perda de memória

Medicamento em testes clínicos de fase 2, em pacientes com Alzheimer e em pacientes com síndrome do X-frágil, mostrou que protege os pacientes de perderem a memória, danos nos nervos e outros sintomas das doenças de demência.

0
Novo medicamento protege doentes com Alzheimer de perda de memória
Novo medicamento protege doentes com Alzheimer de perda de memória. Foto: © Rosa Pinto

Um novo medicamento descoberto do trabalho de uma colaboração entre a Universidade de Buffalo e a Tetra Therapeutics pode proteger contra perda de memória, danos nos nervos e outros sintomas da doença de Alzheimer.

Investigações pré-clínicas descobriram que o medicamento, designado por BPN14770, detém os efeitos da beta amilóide, uma proteína característica da doença de Alzheimer que é tóxica para as células nervosas.

Estudos recentes descobriram que a doença de Alzheimer pode desenvolver-se sem demência em quase 25% dos pacientes saudáveis ​​de 80 anos, sugerindo que o corpo pode recorrer a mecanismos compensatórios para manter o sistema nervoso.

O BPN14770, em desenvolvimento pela Tetra Therapeutics, pode ajudar a ativar esses mecanismos que apoiam a saúde dos nervos e previnem a demência, mesmo com a progressão da doença de Alzheimer.

Os investigadores indicam que os benefícios do medicamento podem também fazer-se sentir em pacientes com síndrome do X-frágil, deficiências no desenvolvimento e esquizofrenia.

Ying Xu, investigador e professor associado de investigação da Universidade de Buffalo, referiu: “As observações feitas sugerem que a patologia da doença de Alzheimer pode ser tolerada pelo cérebro, em certa medida, devido a mecanismos compensatórios que operam nos níveis celular e sináptico”.

Agora a “nossa nova investigação sugere que o BPN14770 pode ser capaz de ativar vários mecanismos biológicos que protegem o cérebro de deficits de memória, danos neuronais e deficiências bioquímicas”, indicou Ying Xu.

O estudo, publicado em 5 de setembro, no The Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics, foi liderado por James M. O’Donnell, da Universidade de Buffalo, e teve a colaboração de Mark E. Gurney, presidente e diretor executivo da Tetra Therapeutics.

Proteger a memória contra proteínas tóxicas

A investigação, realizada em ratos, permitiu descobrir que o BPN14770 inibe a atividade da fosfodiesterase-4D (PDE4D), uma enzima que desempenha um papel fundamental na formação da memória, aprendizagem, neuroinflamação e lesão cerebral traumática.

O PDE4D reduz a adenosina monofosfato cíclico (cAMP), uma molécula mensageira que sinaliza alterações fisiológicas como divisão celular, mudança, migração e morte, no corpo, e que leva a alterações físicas no cérebro.

A cAMP possui inúmeras funções benéficas, incluindo melhoria de memória. Ao inibir o PDE4D, o BPN14770 aumenta a sinalização de cAMP no cérebro, que protege contra os efeitos tóxicos da beta amiloide.

“O papel do PDE4D na modulação das vias cerebrais envolvidas na formação e cognição da memória, e a capacidade do nosso inibidor de PDE4D de melhorar seletivamente esse processo, foi bem estudado”, referiu Mark E. Gurney, pelo que, acrescentou: “Estamos muito animados com as descobertas de nossos colegas, que agora sugerem um segundo mecanismo de ação protetor para o BPN14770 contra os danos neurológicos progressivos associados à doença de Alzheimer”.

“O desenvolvimento de medicamentos eficazes para deficits de memória associados à doença de Alzheimer tem sido desafiador”, referiu James M. O’Donnell. “O BPN14770 trabalha como um novo mecanismo para aumentar a sinalização cíclica de AMP no cérebro, o que demonstrou melhorar a memória. O projeto colaborativo levou a ensaios clínicos que para testar sua eficácia”.

A Tetra Therapeutics está a conduzir ensaios clínicos de Fase 2 do BPN14770 em pacientes com Alzheimer precoce e adultos com síndrome do X-Frágil, um distúrbio genético que causa deficiências intelectuais e de desenvolvimento.

Resultados de estudos anteriores da Fase 1 em voluntários idosos saudáveis ​​sugerem que os medicamentos beneficiam a memória de trabalho ou imediata. Estudos em animais descobriram que o BPN14770 tem o potencial de promover a maturação das conexões entre neurónios, que são prejudicadas em pacientes com síndrome do X-Frágil, além de proteger essas conexões, que são perdidas em pacientes com Alzheimer.

“Houve um enorme interesse no estudo de Fase 2 que decorre com o BPN14770 em 255 pacientes com doença de Alzheimer precoce, e esperamos que este estudo mostre um impacto da modulação do PDE4D nesta doença.

A investigação foi apoiada pelo National Institutes of Health Blueprint Neurotherapeutics Network através do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, Instituto Nacional de Envelhecimento e Instituto Nacional de Saúde Mental, dos EUA.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!