O que se sabe da variante do coronavírus identificada no Reino Unido

Variante do coronavírus identificada no Reino Unido possui muito maior capacidade de se propagar e afeta predominantemente pessoas com menos de 60 anos. O ECDC indicou que estão a decorrer estudos sobre as implicações nas vacinas contra a COVID-19.

0
O que se sabe da variante do coronavírus identificada no Reino Unido
O que se sabe da variante do coronavírus identificada no Reino Unido

As investigações sobre as propriedades da nova variante do coronavírus, identificada na Inglaterra, estão em curso, e o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC, sigla do inglês) indicou que até ao momento na foram relatados que os resultados clínicos sejam mais fracos, leve a maior mortalidade ou que haja grupos particularmente afetados.

A nova estirpe do coronavírus da COVID-19 foi predominantemente identificada em pessoas com menos de 60 anos, sendo que o aumento geral de casos COVID-19 em Inglaterra é igualmente impulsionado pela faixa etária inferir a 60 anos.

Propriedades genómicas da nova variante SARS-CoV-2

A nova estirpe ou variante do vírus SARS-CoV-2 possui múltiplas mutações da proteína “spike”, bem como mutações em outras regiões genómicas. Uma das mutações está localizada dentro do domínio de ligação ao recetor. É indicado que a quantidade de mutações na proteína “spike” para a variante é muito maior do que é esperado em mutações aleatórias.

Três variantes identificadas na Dinamarca e uma na Austrália, a partir de amostras recolhidas em novembro de 2020, agrupam-se com a variante do Reino Unido, provavelmente indicando que a disseminação internacional ocorreu, embora a extensão permaneça desconhecida.

Variante do vírus tem número elevado de mutações na proteína “spike

O número alto de mutações da proteína “spike”, bem como de outras propriedades genómicas da variante e a alta cobertura de sequenciação no Reino Unido sugerem que a variante não surgiu por meio da acumulação gradual de mutações no Reino Unido. Também é improvável que a variante possa ter surgido por meio da pressão de seleção de programas de vacinação em curso, visto que o aumento observado não corresponde ao momento dessas atividades.

Para os investigadores uma possível explicação para o surgimento da variante é a infeção prolongada por SARS-CoV-2 num único paciente, potencialmente com imunidade reduzida. Uma infeção prolongada pode levar ao acumular de mutações de escape imunológico a uma taxa elevada.

Outra possível explicação poderá ser os processos de adaptação num vírus que ocorrem em diferentes espécies animais e são transmitidos novamente aos humanos a partir dos animais hospedeiros. Isso levou ao surgimento de uma variante com múltiplas mutações da proteína “spike” na Dinamarca durante a transmissão entre visons. Várias mutações diferentes da proteína “spike” associadas ao vison também foram descritas na Holanda. No entanto o Reino Unido transmitiu ao ECDC e à Organização Mundial da Saúde que não existe uma ligação epidemiológica clara com animais para esta variante.

Por último, também é possível que a variante tenha surgido através da circulação em países com nenhuma ou muito baixa cobertura de monitoramento e sequenciação de estirpes. Para os investigadores esta hipótese é menos plausível, uma vez que mutações aleatórias adquiridas durante a circulação do vírus não explicariam a proporção incomum alta de mutações da proteína “spike” e a circulação não detetada por um tempo suficiente para que o alto número de mutações se acumulassem (cerca de 10 meses de acordo com às estimativas atuais do relógio molecular), também não é muito provável devido aos padrões de viagens globais.

A África do Sul relatou um aumento rápido semelhante desde outubro de uma variante com a mutação da proteína “spike”, duas mutações adicionais e várias mutações adicionais da proteína “spike”. Esta variante não tem relação evolutiva próxima com a estirpe da Inglaterra, mas demonstra que o surgimento de variantes com propriedades semelhantes pode não ser raro.

Potencial impacto na gravidade da doença

As informações disponíveis sobre a gravidade da nova variante do vírus são limitadas. Até o momento, não há indicação de aumento da gravidade da infeção observada relacionada à variante, mas a avaliação é desafiada pelo fato de que a maioria dos casos foi relatada em pessoas com menos de 60 anos, que são menos propensas a desenvolver sintomas graves.

Nenhuma das variantes do SARS-CoV-2 descritas anteriormente demonstrou causar aumento da gravidade da infeção; ao contrário, uma variante detetada em Singapura na primavera desapareceu.

Impacto na eficácia da vacina

Não há dados fenotípicos disponíveis para a nova variante e não há dados disponíveis em relação à capacidade dos anticorpos produzidos pelas vacinas em desenvolvimento para neutralizar esta variante.

A nova variante do vírus exibe várias mutações na proteína “spike”, incluindo no local de ligação ao recetor. A maioria das novas vacinas candidatas é baseada na sequência da proteína “spike”. Portanto, é essencial monitorar as alterações na proteína “spike”, entre as estirpes de SARS-CoV-2 a circular e avaliar as possíveis alterações antigénicas. A caracterização antigénica da nova variante está em curso e os resultados devem ser conhecidos nas próximas semanas.

Para a ECDC será importante realizar a vigilância da eficácia no campo das vacinas COVID-19 em uso, se possível incluindo estimativas específicas de variantes do vírus. A vigilância de falhas primárias de vacinas usando resultados específicos de variantes do vírus também pode ajudar a compreender se há um impacto na eficácia da vacina.

A imunidade das células T desempenha um papel na proteção e eliminação das infeções pelo vírus COVID-19. Embora a imunidade das células T esteja a ser avaliada após a infeção por SARS-CoV-2 e após a vacinação, ainda não se sabe qual o papel que pode ter para os pressupostos de proteção.

Vírus variantes e aumento de reinfeções

Foi observado até ao momento, e para uma ampla gama de variantes, um impacto clínico pouco claro As mutações observadas na nova variante estão relacionadas com o sítio de ligação ao recetor e a outras estruturas de superfície, que podem alterar as propriedades antigénicas do vírus. Com base no número e localização das mutações da proteína “spike”, parece provável que uma redução na neutralização por anticorpos será observada, mas ainda não há evidências de que haja um impacto resultante no aumento do risco de reinfeção ou na redução da eficácia da vacina. Algum nível de redução na neutralização por soros convalescentes e anticorpos monoclonais. Não há informações disponíveis atualmente sobre se há aumento da frequência de reinfeções associadas à nova variante ou impacto observado na vacinação em curso.

Não há dados fenotípicos disponíveis para a nova variante e não há dados disponíveis com relação à capacidade dos anticorpos produzidos por vacinas em desenvolvimento para neutralizar esta variante.

A imunidade das células T desempenha um papel na proteção e eliminação das infeções pelo vírus COVID-19. Embora a imunidade das células T esteja a ser avaliada após a infeção por SARS-CoV-2 e após a vacinação, ainda não se sabe qual papel que pode ter na proteção a ser dada pela vacina.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!