Pacientes de COVID-19 melhoram após tratamento com tocilizumab

Medicamento anti-inflamatório, tocilizumab, apresenta sucesso no combate a resposta imune perigosa em pacientes COVID-19. O medicamento pode ajudar a reduzir a inflamação, as necessidades de oxigénio, a pressão arterial e o risco de morte.

0
Pacientes de COVID-19 melhoram após tratamento com tocilizumab
Pacientes de COVID-19 melhoram após tratamento com tocilizumab

A maioria dos pacientes hospitalizados com pneumonia por COVID-19 apresentou melhoras após tratamento com tocilizumab, um medicamento aprovado pela Food and Drug Administration (FDA), EUA, e normalmente administrado para artrite reumatoide. A conclusão é de um estudo observacional no Hospital Cedars-Sinai.

Os resultados para pacientes de COVID-19 que receberam o medicamento, tocilizumabe, incluíram redução da inflamação, redução de necessidade de oxigénio, pressão arterial e diminuição de risco de morte.

O estudo observacional envolveu 27 pacientes e foi liderado por Stanley Jordan, diretor dos Programas de Nefrologia e Imunologia de Transplantes do Cedars-Sinai , e já publicado na revista “Clinical Infectious Diseases”.

Embora os resultados dos pacientes tenham sido encorajadores, os investigadores referiram que não eram suficientes para provar que o medicamento era seguro e eficaz para uso em pacientes com COVID-19, porque não realizaram um ensaio clínico com um grupo de controlo.

A equipa de médicos examinou as alterações clínicas e laboratoriais – incluindo níveis de oxigénio, a necessidade de medicamentos para aumentar a pressão sanguínea e a sobrevida dos pacientes – em 27 pacientes com pneumonia por COVID-19 que receberam o medicamento imunossupressor tocilizumab para retardar uma resposta imune descontrolada.

Os investigadores observaram marcadores inflamatórios melhorados e maior sobrevida dos pacientes, em comparação a pacientes não tratados com tocilizumab.

“Os investigadores estudam o tocilizumab há uma década, concentrando-se no uso na artrite reumatoide e nas tempestades de citocinas devido a cancro”, referiu Stanley Jordan, professor de medicina do Cedars-Sinai. O medicamento foi aprovado em 2010 pelo FDA como tratamento para artrite reumatóide.

Os investigadores do Hospital Cedars-Sinai descobriram que a interleucina 6 – uma proteína que alimenta a produção de células imunes e é o alvo do tocilizumab – que era a principal citocina elevada nos pacientes com COVID-19.

“Como o tocilizumab bloqueia a interleucina 6, concluímos que fazia sentido tentar em pacientes com pneumonia COVID-19”, explicou o investigador.

As citocinas são moléculas secretadas por vários tipos de células, incluindo células do sistema imunológico que regulam a resposta imune do corpo. Uma tempestade de citocinas é uma reação severa na qual as células imunes inundam e atacam órgãos saudáveis ​​que deveriam proteger. Nos pacientes com COVID-19, o vírus estimula as células imunológicas que levam a danos pulmonares colaterais, que podem causar derramamento de vasos sanguíneos e coagulação do sangue. A pressão sanguínea do paciente baixa e os órgãos começam a falhar.

No início da pandemia do COVID-19, os profissionais de saúde descobriram que as tempestades de citocinas estavam a causar rápida deterioração em alguns pacientes. Os investigadores estão a aprender como impedir a tempestade de citocinas.

A maioria dos pacientes que recebeu tocilizumab estava em ventiladores para apoiar a respiração. Cada um deles recebeu uma dose de tocilizumab, para ajudar a bloquear a sinalização da citocina, a interleucina 6 – a única citocina detetada em quantidades prejudiciais em todos os pacientes do estudo.

“Quanto mais interleucina 6 estiver presente no corpo, pior será o resultado do paciente”, referiu o investigador.

Os resultados pós-tratamento mostraram que 23 pacientes apresentaram quebras significativas na temperatura corporal e nos níveis de proteína C reativa (PCR). Os níveis de PCR aumentam quando a infeção está presente no corpo. Quatro pacientes não apresentaram declínios rápidos nos níveis de PCR, e três deles tiveram piores resultados. Os eventos adversos foram mínimos, mas ocorreram duas mortes não relacionadas ao tocilizumab, referiu Stanley Jordan.

“Nosso estudo observacional sugere que a medicação pode ajudar a reduzir a inflamação, as necessidades de oxigénio, a pressão arterial e o risco de morte”, indicou Stanley Jordan.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!