Pássaros canoros podem controlar fibras musculares vocais individuais ao cantar

Nos pássaros canoros o cantar é crucial para o reconhecimento e vida sexual. Investigação publicada na Current Biology mostra que pássaros canoros têm controlo de elevadíssima resolução sobre a produção vocal e podem até controlar fibras musculares vocais individuais.

0
Pássaros canoros podem controlar fibras musculares vocais individuais ao cantar
Pássaros canoros podem controlar fibras musculares vocais individuais ao cantar (tentilhão-zebra macho da Austrália). Foto: Jim Bendon / Wikipedia

As canções melódicas e diversificadas dos pássaros inspiram frequentemente e de longa data canções e poemas. Mas apesar do fascínio sempre existente pelo canto dos pássaros, apenas se começa agora a descobrir como essa capacidade extraordinária do canto é produzida e quais especializações que permitiram aos pássaros canoros desenvolverem a diversa paisagem sonora que podemos ouvir todas as manhãs.

Os pássaros canoros produzem as canções usando um órgão vocal especial e exclusivo dos pássaros, a siringe. Um órgão cercado por músculos que se contraem a muita alta velocidade.

“Descobrimos que os pássaros canoros têm um controlo incrível sobre o canto, incluindo o controlo de frequências abaixo de um hertz”, referiu Iris Adam, autora principal do estudo e professora assistente do Departamento de Biologia da Universidade do Sul da Dinamarca.

Uma unidade motora é a unidade de contração fundamental do músculo e consiste num neurónio motor e em fibras musculares às quais se conecta e ativa. Combinando preparações de tecido para contar fibras musculares e nervosas e modelos matemáticos, os investigadores puderam mostrar que uma grande parte das unidades motoras deve ser muito pequena e mesmo tão pequena que uma única fibra muscular.

“Nos músculos do canto do tentilhão zebra, os modelos previram que 13 a 17% dos neurónios motores inervam uma única fibra muscular”, esclareceu Coen Elemans, da Universidade do Sul da Dinamarca. Os investigadores desenvolveram uma nova técnica que pode medir a atividade de todas as fibras musculares dentro de um pequeno músculo.

“O nosso novo método permitiu-nos, pela primeira vez, ativar neurónios motores individuais e visualizar e registar a atividade de todas as fibras musculares que respondem simultaneamente”, disse Iris Adam, e acrescentou: “Assim, pudemos mostrar que os músculos do canto dos tentilhões-zebra contêm realmente unidades motoras tão pequenas como uma fibra muscular”.

Para poder entender o efeito que essas pequenas unidades motoras podem ter na música, os investigadores mediram a quantidade de stress que os músculos podem fazer e como é que esse stress altera a frequência do som.

A investigadora referiu: “Próximo às pequenas unidades motoras, descobrimos que os músculos vocais dos pássaros canoros têm o menor stress medido em qualquer vertebrado” e Coen Elemans acrescentou: “Para poder estudar como as mudanças na força muscular alteram o som feito pelo órgão vocal dos pássaros, a siringe, tivemos que inventar uma nova configuração”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!