Saliva pode ser mais eficaz que zaragatoas nasofaríngeas nos testes COVID-19

Aumento de uma etapa de processamento às amostras de saliva pode melhorar a taxa de deteção da COVID-19. O não uso do teste nasofaríngeo facilita uma vigilância em massa, concluem investigadores da Universidade Augusta, EUA.

0
Saliva pode ser mais eficaz que zaragatoas nasofaríngeas nos testes COVID-19
Saliva pode ser mais eficaz que zaragatoas nasofaríngeas nos testes COVID-19

A recolha de amostras nasofaringe por zaragatoa para o teste de diagnóstico COVID-19 apresenta desafios, incluindo o risco de exposição para os profissionais de saúde e restrições da cadeia de suprimentos. As amostras de saliva são mais fáceis de recolher, mas podem ser misturadas com outros fluidos como com sangue, e alguns estudos concluíram podem produzem resultados menos precisos.

Uma equipa de investigadores descobriu que um protocolo inovador que processa amostras de saliva antes do teste de PCR em tempo real (RT-PCR) resulta numa maior sensibilidade em comparação com as amostras nasofaringe. O protocolo foi descrito no The Journal of Molecular Diagnostics.

“A saliva como amostra para o teste de COVID-19 foi uma reviravolta na luta contra a pandemia. Ela ajudou-nos a aumentar a adesão da população aos testes, juntamente com a diminuição do risco de exposição aos profissionais de saúde durante o processo de colheita”, referiu o investigador Ravindra Kolhe, da Universidade Augusta, EUA.

Na Fase I, 28,3% das amostras testaram positivo à SARS-CoV-2 de nasofaringe, saliva ou ambos. A taxa de deteção foi menor na saliva em comparação com nasofaringe (50,0% vs. 89,7%). Na Fase II, 50,2% das amostras testaram positivo para SARS-CoV-2 de saliva, nasofaringe ou ambos. A taxa de deteção foi maior na saliva em comparação com as amostras nasofaringe (97,8% vs. 78,9%). Das 85 amostras de saliva testadas com ambos os protocolos, a taxa de deteção foi de 100% para amostras testadas com SalivaAll e 36,7% com protocolo U.

Ravindra Kolhe observou que os problemas subjacentes associados à menor sensibilidade da saliva ao teste de RT-PCR poderiam ser atribuídos à consistência do gel das amostras de saliva, o que tornava difícil pipetar com precisão as amostras em placas de extração para extração de ácido nucleico. Adicionar a etapa de homogeneização tornou as amostras de saliva com viscosidade e consistência uniformes, facilitando a pipetagem para o ensaio posterior.

O investigador Ravindra Kolhe e seus colegas também validaram com sucesso amostras de saliva na estratégia de pooling de cinco amostras. Os resultados dos testes combinados demonstraram uma concordância positiva de 95% e a concordância negativa foi de 100%. Os testes combinados serão críticos para a vigilância em massa do SARS-CoV-2, nomeadamente nas escolas, viagens e no turismo.

Para Ravindra Kolhe “o uso de um método de coleta não invasivo e de amostra facilmente acessível, como saliva, aumentará as atividades de triagem e vigilância e contornará a necessidade de zaragatoas esterilizadas, meios de transporte caros e risco de exposição, e até mesmo a necessidade de profissionais de saúde qualificados para colheita de amostras.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!