Tempo no smartphone, computador e televisão aumenta risco de AVC

Morte por acidente vascular cerebral está a aumentar entre adultos jovens, com idades dos 35 aos 64 anos, devido ao aumento de tempo de lazer ocupado na ligação a smartphones, computadores ou televisão.

0
Tempo no smartphone, computador e televisão aumenta risco de AVC
Tempo no smartphone, computador e televisão aumenta risco de AVC. Foto: © Rosa Pinto

Adultos com menos de 60 anos de idade que ocupam grande parte do tempo de lazer a usar o computador, a ver televisão ou a ler e que exercem pouca atividade física têm um risco maior de AVC do que pessoas fisicamente mais ativas, conclui investigação recente e já publicada na revista da American Stroke Association.

Estatísticas da American Heart Association indicam que os adultos (EUA) passam em média 10,5 horas por dia conectados a equipamentos de media, como smartphones, computadores ou televisão, e os adultos com idades entre 50 e 64 anos passam a maior parte do tempo ligados a equipamentos de media.

Os dados também indicam que as mortes relacionadas com AVC diminuíram em 2010 entre adultos com 65 anos ou mais. No entanto parece estar a aumentar entre adultos jovens, com idades entre 35 e os 64 anos, com um aumento de 14,7 em cada 100.000 adultos em 2010 para 15,4 em 100.000 em 2016.

Investigações anteriores sugerem que quanto mais tempo os adultos passam sedentários, maior será o risco de doença cardiovascular, incluindo acidente vascular cerebral, e quase 9 em cada 10 acidentes vasculares cerebrais podem ser atribuídos a fatores de risco modificáveis, como comportamentos sedentários.

Raed A. Joundi, Cumming School of Medicine da University of Calgary, no Canadá, referiu: “É importante entender se uma grande quantidade de tempo sedentário pode levar ao AVC em indivíduos jovens, pois um AVC pode causar morte prematura ou prejudicar significativamente a função e a qualidade de vida.”

Neste estudo, os investigadores usaram informações de saúde e estilo de vida de 143.000 adultos sem AVC, doença cardíaca ou cancro que participaram da Investigação de Saúde da Comunidade Canadiana nos anos 2000, 2003, 2005, 2007-2012. Os investigadores acompanharam os participantes durante uma média de 9,4 anos (até 31 de dezembro de 2017) e identificaram acidentes vasculares cerebrais por meio dos registos hospitalares.

Eles revisaram a quantidade de tempo gasto a cada dia em atividades sedentárias de lazer (horas gastas no computador, a ler e a assistir a TV) e dividiram-no em categorias de menos de quatro horas por dia; quatro a menos de seis horas por dia; seis a menos de oito horas por dia; e oito horas ou mais por dia. Também dividiram a atividade física em quartis, ou quatro categorias iguais, onde o quartil mais baixo era o menos ativo fisicamente e equivalente a caminhar 10 minutos ou menos diariamente. “Uma caminhada de 10 minutos ou menos por dia é menos da metade do que as diretrizes de atividade física da American Heart Association recomendam”, esclareceu Raed A. Joundi.

A American Heart Association recomenda que os adultos façam pelo menos 150 minutos, ou 2,5 horas, de atividade física de intensidade moderada por semana.

A análise dos participantes do estudo verificou que:

Durante o período de acompanhamento, uma média de 9,4 anos, ocorreram 2.965 AVC. Quase 90% dos AVC foram acidentes vasculares isquémicos, o tipo de acidente vascular cerebral mais comum, que ocorre quando um vaso que fornece sangue ao cérebro fica obstruído.

O tempo médio diário de sedentarismo no lazer entre todos os participantes foi de 4,08 horas. Indivíduos com 60 anos ou menos tiveram um tempo médio de sedentarismo no lazer de 3,9 horas por dia. O tempo médio diário de sedentarismo no lazer foi de 4,4 horas para adultos de 60 a 79 anos e de 4,3 horas para aqueles de 80 anos ou mais.

Adultos com 60 anos ou menos que tinham baixa atividade física e relataram oito ou mais horas de lazer sedentário por dia tiveram um risco 4,2 vezes maior de acidente vascular cerebral em comparação com aqueles que relataram menos de quatro horas de lazer sedentário diário.

O grupo mais inativo – aqueles que relataram oito ou mais horas de sedentarismo e baixa atividade física – teve risco 7 vezes maior de acidente vascular cerebral em comparação com aqueles que relataram menos de quatro horas de sedentarismo por dia e níveis mais elevados de atividade física.

“A atividade física tem um papel muito importante na medida em que reduz o tempo real de sedentarismo, e também parece diminuir o impacto negativo do excesso de tempo sedentário. As recomendações médicas e as políticas de saúde pública devem enfatizar o aumento da atividade física e a redução do tempo sedentário entre os adultos jovens em combinação com outros hábitos saudáveis ​​para reduzir os riscos de eventos cardiovasculares e derrame”, insiste o investigador.

Uma limitação significativa dos resultados do estudo foi que a investigação não questionou os participantes sobre o tempo sedentário relacionado à ocupação; isso pode significar que o tempo sedentário é subestimado entre pessoas que têm empregos de escritório.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!