Teste da respiração para deteção de cancro

Teste da respiração mostrou ser eficaz na deteção de cancro da cabeça e do pescoço. Um método simples que melhora os resultados do tratamento e a morbidade do paciente.

0
Teste da respiração para deteção de cancro
Teste da respiração para deteção de cancro. Roger Yazbek, investigador de cancro na Flinders University. Foto: © Flinders University

Investigação sobre testes para as fases iniciais, rápidos, baratos e precisos para deteção do cancro e outras doenças tem vindo a evoluir nos últimos anos, como aponta um novo estudo com os resultados publicados no British Journal of Cancer.

Investigadores da Flinders University indicaram um progresso significativo no desenvolvimento de um método para testar perfis de respiração exalada que diferenciam com precisão o cancro da cabeça e do pescoço.

Os investigadores australianos recolheram amostras de respiração de 181 pacientes com suspeita de carcinoma de células escamosas da cabeça e pescoço em estágio inicial, antes de qualquer tratamento começar.

“Procuramos determinar a precisão do diagnóstico da análise da respiração como um teste não invasivo para detetar o cancro da cabeça e pescoço, que com o tempo pode resultar num método simples para melhorar os resultados do tratamento e a morbidade do paciente”, afirmou o investigador Roger Yazbek.

Em todo o mundo, o cancro da cabeça e pescoço é responsável por 6% de todos os cancros, matando mais de 300.000 pessoas por ano em todo o mundo. Tabaco, álcool e má higiene bucal são conhecidos como importantes fatores de risco para esse cancro.

Um aumento dos cancros da cabeça e pescoço associados ao vírus do papiloma humano (HPV) está a analisar esses cancros afetando uma população muito mais jovem, dizem os investigadores.

As terapias atuais são eficazes no tratamento da doença em estágio inicial; no entanto, as apresentações em estágio avançado são comuns e frequentemente associadas a mau prognóstico e alta morbidade relacionada ao tratamento.

Neste estudo australiano foi usado um espectrómetro para analisar a respiração para compostos orgânicos voláteis. Assim, usando modelagem estatística, os investigadores da Flinders University conseguiram desenvolver um teste de respiração que pode diferenciar pacientes com cancro de outras pessoas para controlo (doenças benignas), com uma sensibilidade e especificidade média de 85%.

O diagnóstico foi confirmado pela análise de biópsias de tecido.

Com estes fortes resultados, esperamos testar o método em ambientes de cuidados primários, como clínicas de GP, para desenvolver ainda mais seu uso na triagem de estágio inicial na comunidade, referiu Nuwan Dharmawardana, coautor do estudo.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!