Testes rápidos para a COVID-19 precisos e acessíveis são uma prioridade

Para rastrear portadores do coronavírus em aeroportos, transportes, navios de cruzeiro, reuniões públicas ou para monitorar quarentenas residenciais os testes rápidos para a COVID-19 podem ser fundamentais. Testes que devem ser precisos e acessíveis.

0
Testes rápidos para a COVID-19 precisos e acessíveis são uma prioridade
Testes rápidos para a COVID-19 precisos e acessíveis são uma prioridade

Testes rápidos e acessíveis para a COVID-19 são fundamentais, tanto mais que não há evidências que as atuais vacinas contra a COVID-19 possam impedir completamente as pessoas de serem infetadas e, por outro lado, o surgimento de novas variantes do coronavírus tornam os testes cruciais.

Desde que a Organização Mundial da Saúde declarou a COVID-19 como pandemia, houve um significativo progresso nos testes, rastreio e tratamento de pessoas infetadas com o coronavírus, e as indústrias de biotecnologia desenvolveram várias vacinas num tempo recorde.

No entanto, até que a maioria da população seja vacinada, torna-se crucial limitar a circulação do coronavírus por meio de vigilância oportuna, ampla e continua. A vigilância parece ser a única maneira de reduzir o surgimento de variantes que são potencialmente resistentes às vacinas. O desenvolvimento de testes rápidos, precisos e acessíveis para COVID-19 ainda é uma prioridade.

Investigação da União Europeia sobre testes rápidos para combater a pandemia do coronavírus SARS-CoV-2

Entre os projetos focados em diagnósticos e apoiados pela União Europeia para fazer frente à emergência sanitária, o maior dos projetos é o CORONADX, com oito parceiros da Europa e China. Está a desenvolver testes rápidos que podem ser utilizados in loco, sem a necessidade de transporte das amostras para o laboratório.

Pathag é o teste mais rápido desenvolvido pelo projeto. Não requer nenhum dispositivo e quase nenhum treino e fornece resultados em menos de um minuto. Pode ser usado, por exemplo, para rastrear portadores do vírus em aeroportos, centros de transporte, navios de cruzeiro, reuniões públicas ou para monitorar quarentenas residenciais.

O sistema usa anticorpos contra o SARS-CoV-2 que são fixados em esferas microscópicas de látex. Esta solução é misturada com a amostra do paciente (por exemplo, um esfregaço nasofaríngeo ou expetoração). Se a amostra contiver o vírus, os anticorpos ligam-se às partículas virais e trazem consigo as gotas de látex, formando um aglomerado visível a olho nu. A reação, de teste de fixação de látex, ocorre em 10 a 20 segundos e pode ser feita em uma pequena tira barata de papel.

Com o objetivo de maior precisão, outro teste rápido desenvolvido pelo projeto, denominado Pathpod, deve atingir um nível comparável ao RT-PCR (o padrão ouro atual para o diagnóstico molecular da SARS-CoV-2), com a vantagem de ser mais rápido e no local. Pode ser adequado para deteção rápida de segunda linha em clínicas móveis e centros de saúde comunitários.

O teste baseia-se em equipamentos fáceis de usar, fornece resultados em 30 minutos e requer um treino mínimo. Um operador despeja a amostra em um cartucho lab-on-a-chip e carrega num dispositivo portátil automático para realizar a análise. O sistema é baseado na Amplificação Isotérmica Mediada por Loop, uma tecnologia molecular que amplifica e deteta as sequências genéticas específicas do vírus. O sistema pode processar até 10 amostras em uma única execução.

A diferença entre um teste rápido para o coronavírus e um teste padrão

A palavra “rápido” define qualquer método que seja significativamente mais rápido do que os que usamos hoje para detetar SARS-Cov2. O teste padrão é baseado na tecnologia RT-PCR. A amostra deve ser enviada para um laboratório qualificado e leva várias horas para dar o resultado.

Os testes rápidos levam menos de uma hora ou mesmo alguns minutos. Geralmente são realizados no ponto de atendimento (POC), o que significa que as amostras são processadas no local. Isso é mais rápido e mais barato.

Com os testes rápidos, mais pessoas podem ser verificadas no trabalho ou durante a viagem. Os portadores podem ser detetados mais cedo e as quarentenas podem ser reduzidas para os que tiveram teste negativo.

Os testes sorológicos não são um teste rápido para o coronavírus

Os testes sorológicos costumam ser chamados de rápidos porque podem ser realizados em poucos minutos, mas não são projetados para detetar o vírus. Apenas os moleculares podem dizer se uma pessoa é portadora do vírus.

Os testes moleculares, que são feitos através de um cotonete de nariz e garganta ou numa amostra de saliva, olham diretamente para o vírus e detetam a sua presença no organismo. Os testes sorológicos, que são normalmente realizados através de uma amostra de sangue, podem dizer se uma pessoa desenvolveu anticorpos contra o vírus – e, portanto, se eles foram infetados em algum momento no passado, até mesmo anos antes.

O que torna um teste preciso

A precisão de um teste diagnóstico é definida por duas medidas estatísticas: sensibilidade e especificidade.

Sensibilidade é a capacidade de detetar o vírus em portadores. Uma sensibilidade de 100% significa que um teste identificará todos os indivíduos portadores do vírus, enquanto 98% significa que irá perder 2% dos portadores, e assim por diante. Quando não foram detetadas no teste são definidas como falsos negativos.

Especificidade é a capacidade de excluir corretamente os indivíduos que não são portadores. Em um teste 100% específico, ninguém sem o vírus terá um teste positivo. Se a especificidade for de 98%, 2 em cada 100 dos que tiveram teste positivo não são portadores e, portanto, são chamados de falsos positivos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!