Tratamento da trombose venosa cerebral induzida pela vacina COVID-19

Estudo clarifica tratamento para trombose venosa cerebral induzida pela vacina COVID-19. O guia indica que o uso de anticoagulantes sem heparina e imunoglobulina intravenosa é aconselhável e o aumento das plaquetas não é aconselhável.

0
Tratamento da trombose venosa cerebral induzida pela vacina COVID-19
Tratamento da trombose venosa cerebral induzida pela vacina COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Como diagnosticar e tratar pacientes de sofreram trombose venosa cerebral (TVC) após terem sido vacinados contra a COVID-19 são conclusões de um estudo conduzido por University College London (UCL) e University College London Hospitals (UCLH), Reino Unido.

O estudo publicado no “The Lancet” relata de forma detalhada as características da trombose venosa cerebral, quando é causada pela nova condição de trombocitopenia trombótica imunológica induzida por vacina (TTIV).

TTIV é uma condição caracterizada por um bloqueio das veias e uma redução acentuada das plaquetas, componentes do sangue que são uma parte importante do sistema de coagulação do sangue. A manifestação mais comum e grave de TTIV é a TVC, na qual as veias que drenam o sangue do cérebro ficam bloqueadas.

Este novo estudo analisa em detalhes 70 pacientes com TVC associada a TTIV após a vacinação, em comparação a 25 com TVC sem evidência de TTIV.

Os investigadores sugerem que alguns tratamentos, como a imunoglobulina intravenosa, parecem estar associados a melhores resultados, mas alertam contra a leitura excessiva dos resultados do estudo observacional, dizendo que evidências confiáveis ​​sobre os tratamentos só podem ser obtidas num ensaio clínico aleatório.

A TVC associada ao TTIV tem uma taxa de mortalidade muito alta. Mesmo sem TTIV, a TVC é uma condição médica muito séria, com cerca de 4% dos pacientes a morrer durante o internamento hospitalar. Em pacientes com TVC associada ao TTIV observados no estudo, a taxa de mortalidade foi cerca de sete vezes superior, ou seja de 29%.

Este pior resultado é explicado pelo menos em parte porque o bloqueio anormal das veias é muito mais extenso nesta condição, com mais veias bloqueadas na cabeça e em outras partes do corpo.

O autor principal do estudo, Richard Perry, neurologista consultor do National Hospital for Neurology and Neurosurgery, referiu: “Com uma doença de tal gravidade, muitas vezes em pacientes jovens que anteriormente estavam bem, os médicos estão desesperados por evidências a respeito de tratamentos que possam prevenir algumas das mortes e invalidez que surgem dessa condição”.

O investigador acrescentou: “Embora um estudo observacional não seja a plataforma ideal para fornecer evidências de que medicamentos funcionam, pode demorar muito até que tenhamos evidências de ensaios clínicos aleatórios, o padrão para testar novos tratamentos.”

O estudo fornece suporte para os três princípios de tratamento estabelecidos até agora pelo Painel de Hematologia Especializada, com base no trabalho inicial da UCLH e de dois outros locais europeus:

Uso de anticoagulação não baseada em heparina;

Tratamentos para tentar reduzir o nível do anticorpo anormal que está implicado nesta condição;

Evitar a estratégia de tentar trazer a contagem de plaquetas de volta aos níveis normais por meio de transfusões de plaquetas.

O coautor David Werring, UCL Queen Square Institute of Neurology, referiu: “Embora esta síndrome tenha sido relatada anteriormente, este estudo multicêntrico em todo o Reino Unido é a descrição mais detalhada até o momento das características clínicas e radiológicas, o que deve ajudar os médicos a reconhecer e tratá-lo prontamente.”

A coautora Marie Scully, professora de hemostasia e trombose do UCL Institute of Cardiovascular Science e consultora hematologista da UCLH, referiu: “Por mais tentador que seja substituir as plaquetas que estão a faltar nesta condição, infundimos novas plaquetas de doadores de sangue, nós não aconselham esta abordagem. No entanto, é difícil em casos que requerem intervenções neurocirúrgicas e, em tais situações, são necessárias para prevenir o derramamento sanguíneo. Presumivelmente, a razão pela qual o número de plaquetas na corrente sanguínea é tão baixo no TTIV é porque elas são usadas rapidamente devido à coagulação anormal. A infusão de mais plaquetas pode simplesmente adicionar mais combustível ao fogo.”

A coautora, Christine Roffe, professora de medicina do AVC na Keele University, esclareceu: “Embora existam sólidas razões teóricas que apoiem ​​a adoção dessas estratégias de tratamento, até agora não houve evidência clínica para o seu uso. No nosso estudo, anticoagulantes sem heparina e imunoglobulina intravenosa foram associados a melhores resultados dos pacientes, fornecendo a primeira evidência clínica de uma grande série de casos em apoio a esses tratamentos.”

Alastair Webb, neurologista consultor do Hospital John Radcliffe em Oxford, referiu: “Descobrimos que os pacientes que receberam imunoglobulina intravenosa – o tratamento no qual o corpo é inundado com anticorpos normais para tentar reduzir os efeitos do anormal – eram mais propensos a deixar o hospital com vida e viver uma vida independente, em vez de depender de cuidadores ou familiares para cuidar deles”.

“O uso de anticoagulantes sem heparina foi associado de forma semelhante a um resultado mais favorável. Os nossos dados não provam que esses tratamentos funcionem, já que os pacientes mais gravemente afetados podem estar muito indispostos para os receber a tempo, mas os resultados apoiam o seu uso enquanto procuramos melhores evidências”, acrescentou o investigador.

Por outro lado, as transfusões de plaquetas foram associadas a um pior resultado em pacientes com TVC associada a TTIV. Embora os dados observacionais não possam provar os danos desta abordagem de tratamento, o estudo fornece suporte para a preocupação que já foi levantada sobre o dano potencial das transfusões de plaquetas.

Embora a trombose venosa cerebral associada ao trombocitopenia trombótica imunológica induzida por vacina seja uma condição grave, parece ser extremamente rara e os autores enfatizam que, para a maioria dos indivíduos, o risco para a saúde de não serem vacinados contra COVID-19 é provavelmente muito maior.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!