Vacina universal contra variantes do coronavírus da COVID-19 é viável

Estudo mostra que as vacinas da Moderna e da Pfizer-BioNTech preparam as células T para combater variantes do SARS-CoV-2. Há reatividade cruzada de células T na interrupção de casos graves de COVID-19. O estudo não envolveu a variante delta.

0
Vacina universal contra variantes do coronavírus da COVID-19 é viável
Vacina universal contra variantes do coronavírus da COVID-19 é viável

As células T de pessoas que recuperaram da COVID-19 ou que receberam a vacina contra a COVID-19 da Moderna ou da Pfizer-BioNTech são capazes de reconhecer várias variantes do SARS-CoV-2, concluiu estudo de investigadores do Center for Infectious Disease and Vaccine Research, La Jolla Institute for Immunology (LJI), La Jolla, EUA, e no qual participa o investigador português Ricardo da Silva Antunes, oriundo da Universidade do Minho e Universidade do Porto.

O novo estudo, publicado em 1 de julho de 2021 na Cell Reports Medicine, mostra que tanto as células T CD4 + “auxiliares” quanto as células T CD8 + “assassinas” podem reconhecer formas de mutações do coronavírus da COVID-19. Essa reatividade é a chave para a complexa resposta imunológica do corpo ao vírus, que permite ao corpo matar as células infetadas e interromper infeções graves.

“Este estudo sugere que o impacto das mutações encontradas nas variantes em questão é limitado”, disse Alessandro Sette, autor sénior do estudo e membro do Center for Infectious Disease and Vaccine Research do LJI. “Podemos presumir que as células T ainda estariam disponíveis como uma linha de defesa contra a infeção viral”, acrescentou o investigador.

Os investigadores enfatizaram que o estudo aborda apenas como as células T do corpo respondem a certas variantes, sendo que várias dessas variantes estão associadas a níveis mais baixos de anticorpos antivirais.

Este estudo inclui dados sobre as quatro variantes mais prevalentes, mas os estudos em curso foram expandidos para um painel maior de variantes, incluindo a variante Delta (indiana), que se tornou prevalente após o início do estudo. Entretanto a equipa de investigadores estabeleceu colaborações com mais de 20 diferentes laboratórios em todo o mundo para ajudar a monitorar a relação das células T com novas variantes.

“Estas variantes de ainda são uma preocupação, mas o nosso estudo mostra que mesmo se houver uma diminuição nos anticorpos, como outros estudos mostraram, as células T permanecem praticamente inalteradas”, referiu Alba Grifoni, do LJI, e acrescentou: “As vacinas ainda funcionam.”

Os investigadores relevam que a vacina COVID-19 da Johnson & Johnson / Janssen não fez parte deste estudo porque não estava disponível no momento em que o estudo foi iniciado.

Os resultados do estudo podem orientar os esforços da vacinação COVID-19 e as descobertas foram destacadas por Anthony Fauci, Diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infeciosas, dos EUA, em conferência de imprensa, que referiu: “Estamos a aprender cada vez mais e que as células T CD4 + e CD8 + são muito importantes por apresentarem reações cruzadas contra certas variantes virais”.

Para o estudo, os investigadores analisaram células T de três grupos diferentes: pessoas que recuperaram da COVID-19, pessoas que receberam as vacinas Moderna ou Pfizer-BioNTech e pessoas que nunca estiveram expostas ao SARS-CoV-2 (de amostras tomadas antes da pandemia).

Tanto nos indivíduos recuperados como nos vacinados havia a probabilidade de terem células T que reconheceram o SARS-CoV-2. A estirpe original que surgiu no início da pandemia, no entanto, o vírus sofreu mutação desde dezembro de 2019, e várias variantes foram identificadas como variantes preocupantes.

A questão colocada era se as pessoas com células T treinadas para reconhecer a estirpe inicial também reconheceriam as novas variantes. Os investigadores testaram as respostas das células T dos grupos de dadores a quatro variantes proeminentes: Alfa (B.1.1.7), Beta (B.1.351), Gama (P.1) e Epsilon (B.1.427 / B.1.429).

Os investigadores descobriram que tanto os indivíduos vacinados como os pacientes recuperados tinham células T com reatividade cruzada que poderiam atingir essas variantes. Uma boa notícia para quem recebeu uma das duas vacinas de mRNA e para quem recuperou de qualquer variante do vírus.

“Com este estudo, a mensagem subjacente é otimista”, acrescentou o investigador Tarke. “Pelo menos, no que diz respeito à resposta das células T, o sistema imunológico ainda é capaz de reconhecer essas novas variantes e as células T serão capazes dar resposta.”

“As vacinas COVID fazem um trabalho fantástico de produção de anticorpos que interrompem as infeções por SARS-CoV-2, mas algumas das vacinas não conseguem impedir infeções de variantes”, disse o investigador Shane Crotty. “Pode-se pensar nas células T como um sistema de backup: se o vírus ultrapassar os anticorpos – se tiver células T da vacina, as células T provavelmente ainda podem interromper a infeção pelo coronavírus variante antes de contrair a pneumonia.”

Os investigadores estão agora a procurar maneiras de tirar proveito da flexibilidade da resposta que as células T parecem ter. Com as células T já a trabalhar arduamente para reconhecer as variantes do SARS-CoV-2, Grifoni diz que as futuras doses de “reforço” podem aumentar a imunidade, levando o corpo a produzir mais anticorpos contra as variantes e / ou adicionando partes adicionais do vírus a serem reconhecidas pelas células T.

“Os epítopos das células T são bem conservados entre as variantes do SARS-CoV-2, portanto, incorporar os alvos das células T nas futuras vacinas COVID pode ser uma maneira inteligente de garantir que as futuras variantes não escapem das vacinas”, acrescenta Crotty.

Também existe a possibilidade de que a investigação atual sobre o SARS-CoV-2 possa um dia levar a uma vacina universal “pan-coronavírus”. Esse tipo de vacina treinaria o corpo para reconhecer os detalhes estruturais, como os elementos da proteína spike, que todos os coronavírus têm em comum. Para Grifoni a “atual investigação mostra que uma vacina de pan-coronavírus é viável”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!