Vacinas contra a COVID-19 em risco de eficácia com novas variantes

Proteínas mutantes do coronavírus SARS-CoV-2 bloqueiam a capacidade das células T de reconhecer e matar células infetadas pelo vírus. A descoberta é importância para as vacinas contra a COVID-19, que podem ver reduzida a eficácia.

0
Vacinas contra a COVID-19 em risco de eficácia com novas variantes
Vacinas contra a COVID-19 em risco de eficácia com novas variantes. Foto: © Rosa Pinto

Um estudo de sequenciamento de 747 vírus SARS-CoV-2 isolados revelou peptídeos mutantes derivados do vírus que não podem ligar-se efetivamente a proteínas críticas na superfície das células infetadas e que, por sua vez, dificultam a ativação das células T killer CD8 + que reconhecem e destroem essas células infetadas.

Esses peptídeos, dizem os autores do estudo, representam uma maneira pela qual o coronavírus subverte as respostas das células T killer (linfócito T citotóxico) e bloqueia a imunidade no hospedeiro.

Os resultados podem ser de particular importância para as vacinas contra o SARS-CoV-2 (vacinas contra a COVID-19), como as vacinas de RNA atualmente em uso, que induzem respostas contra um número limitado de peptídeos virais apresentados nas células T. As vacinas podem estar em risco de redução da eficácia se qualquer um desses peptídeos alvo sofrer mutação nas variantes emergentes do coronavírus.

No entanto, como as células T podem reconhecer uma ampla variedade de epítopos (é o local de ligação específico que é reconhecido por um anticorpo ou por um recetor de superfície de um linfócito T), é necessário determinar como é que as mutações em epítopos afetam realmente o controlo viral.

As células T killer matam as células infetadas após o reconhecimento de epítopos virais, que são exibidos na superfície das células infetadas por proteínas do complexo principal de histocompatibilidade de classe I (MHC-I) ou proteínas de antígeno leucocitário humano (HLA), como são designadas em humanos.

Certas posições nestes epítopos são críticas para a apresentação de HLA-I e as mutações nestas regiões podem interferir com a ligação do epítopo ao HLA.

Benedikt Agerer, da Academia Austríaca de Ciências, Viena, Áustria, e colegas identificaram mutações em epítopos de células T killer de SARS-CoV-2 após sequenciamento de 747 vírus SARS-CoV-2 isolados. Os resultados do estudo foram publicados, hoje, 4 de março na revista cientifica Science Immunology.

Quando exposto a células T killer isoladas de pacientes com COVID-19 HLA compatível, a ligação reduzida de peptídeos mutantes a HLA-I diminuiu a proliferação de células T, diminuiu a produção de fatores inflamatórios, como IFN-γ, e interrompeu a atividade geral de morte das células T killer.

Em trabalhos futuros, os investigadores pretendem abordar como estas mutações de “escape” são mantidas durante a transmissão entre indivíduos com diferentes subtipos de HLA e como os vírus com mutações no epítopo afetam a gravidade da doença.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!