Variante Delta do SARS-CoV-2 dificulta o sistema imunológico

Variante Delta do coronavírus que causa a COVID-19 pode infetar células de pulmão e intestino de forma mais eficiente. Investigação mostra que a Delta é menos sensível aos anticorpos presentes em pessoas vacinadas ou que foram infetadas.

0
Variante Delta do SARS-CoV-2 dificulta o sistema imunológico
Variante Delta do SARS-CoV-2 dificulta o sistema imunológico.

O coronavírus SARS-CoV-2 continua a representa grandes desafios para a humanidade. O aparecimento frequente de formas mutantes torna a ameaça pelo coronavirus difícil de prever. A variante Delta do SARS-CoV-2 circulou na Índia e está a tornar-se dominante em muitos países.

Investigadores do Centro Alemão de Primatas (DPZ) – Instituto Leibniz para Investigação de Primatas em Göttingen investigaram a variante Delta (B.1.617) em detalhe. Em estudos de cultura de células, descobriram que a variante pode infetar certas linhas de células de pulmão e intestino de forma mais eficiente do que o coronavírus original. Os investigadores também demonstraram que a Delta é menos sensível à inibição por anticorpos presentes no sangue de indivíduos que foram infetados ou que foram vacinados e que é resistente a um anticorpo terapêutico usado para o tratamento de COVID-19.

A proteína spike está embutida no envelope viral e facilita a entrada do SARS-CoV-2 nas células hospedeiras. Sem a atividade da proteína spike, o vírus não pode replicar-se no corpo humano. As variantes de vírus atualmente conhecidas abrigam diferentes mutações na proteína spike, algumas das quais facilitam a infeção de células hospedeiras e evitam o sistema imunológico de indivíduos infetados. A variante delta carrega oito mutações diferentes na proteína spike, incluindo duas no domínio de ligação do recetor, que é essencial para a ligação viral às células e representa o alvo principal para anticorpos neutralizantes.

Uma equipa liderada por Markus Hoffmann e Stefan Pöhlmann, investigadores do German Primate Center, incluindo cientistas da University Hospital of Göttingen, da University of Erlangen e da Hannover Medical School, investigaram como as mutações afetam a capacidade da variante Delta entrar nas células hospedeiras e a eficiência da resposta do anticorpo em indivíduos vacinados e recuperados inibe esta variante.

Primeiro, os investigadores analisaram a entrada da variante Delta em diferentes linhas de células humanas. Em duas linhas celulares derivadas de pulmão e cólon, respetivamente, eles detetaram um aumento de 50% na eficiência de entrada do vírus.

Os investigadores também investigaram a eficácia de quatro anticorpos terapêuticos diferentes que foram aprovados para o tratamento de pacientes com COVID-19. Eles descobriram que a variante delta era completamente resistente contra um desses anticorpos e ligeiramente menos inibida por outro anticorpo.

Em uma terceira etapa, os cientistas testaram a eficácia dos anticorpos do sangue de indivíduos recuperados e vacinados. Aqui, eles encontraram uma redução de duas a três vezes na proteção contra a variante Delta.

“O nosso estudo mostra que esta variante do vírus pode infetar células pulmonares e intestinais de forma mais eficiente, sugerindo aumento da aptidão viral”, resume Markus Hoffmann, principal autor do estudo. “Além disso, o efeito protetor dos anticorpos é limitado porque eles bloqueiam a entrada da Delta nas células de forma menos eficiente do que a do vírus original. Como resultado, os indivíduos que não estão totalmente vacinados ou foram infetados há muito tempo e, portanto, produzem baixas quantidades de anticorpos, podem estar mal protegidos contra a infeção pela variante Delta.

Stefan Pöhlmann, Chefe da Unidade de Biologia de Infeção no DPZ acrescenta: “Para prevenir uma maior disseminação da variante Delta, e para prevenir o surgimento de novas variantes de vírus, é aconselhável alcançar rapidamente a imunização completa de todas as pessoas que desejam ser vacinadas. Também é necessário investigar se as vacinações de reforço com as vacinas existentes ou as vacinas otimizadas para as variantes alvo fornecem proteção ampla e duradoura “.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!