Alterações climáticas: É a hora de agir!

“A ciência é clara! Não há espaço para dúvidas! A mudança do clima é a nova realidade”, afirmou o Comissário Europeu, Christos Stylianides, hoje em Lisboa. A União Europeia está a criar um Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

0
Alterações climáticas: É a hora de agir!
Alterações climáticas: É a hora de agir! - Comissário Europeu, Christos Stylianides. Foto: © TV Europa

Na intervenção, desta manhã, na 4ª Conferência Europeia sobre Adaptação às Alterações climáticas, em Lisboa, o Comissário Europeu, Christos Stylianides, referiu que se enfrenta “uma escolha clara: preparar a mudança climática hoje. Ou pagar um preço devastador amanhã”.

Para o Comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises é agora a hora para nos adaptarmos à realidade da mudança climática, para mitigar o impacto, reduzir os riscos e reforçar nossa resiliência.

União Europeia na luta global contra a mudança climática

“A União Europeia está a adotar uma abordagem a longo prazo”, indicou o Comissário e envolve três prioridades principais: promoção de políticas baseadas em conhecimento; fortalecer a cooperação pública e privada; investimentos e infraestrutura resilientes.

Políticas baseadas em conhecimento

É preciso aperfeiçoar o nosso conhecimento sobre a mudança climática. Isso significa recolher dados confiáveis ​​sobre os riscos de desastres, e o programa Copernicus Earth Observation da UE vai ajudar nessa recolha. Copérnico é um sistema de satélite de última geração que melhora a previsão climática e análise de risco, referiu Christos Stylianides.

A conferência que decorre em Lisboa é também um bom exemplo, por permitir partilhar conhecimento, as melhores práticas e aprender com as histórias de sucesso individuais.

Preparar a mudança climática hoje. Ou pagar um preço devastador amanhã.

Fortalecer a cooperação pública e privada.

A mudança climática afeta todo o espetro de atividades económicas e infraestruturas, nos setores público e privado, e nesse sentido o Comissário referiu: “Acredito que a parceria público-privada deve ser o nosso próximo grande passo em frente. O setor público, por si só, simplesmente não consegue lidar com o enorme desafio”.

Dentro das parcerias está o setor de seguros, pois o seguro não fornece apenas compensação financeira por perdas, mas também incentivos para reduzir os riscos. O Comissário considera que devem ser criados “planos de seguro flexíveis”, que “podem ser especialmente benéficos para os países mais vulneráveis”.

A UE está empenhada no financiamento e no seguro dos riscos climáticos e de desastres. É por isso que são apoiados programas como a Iniciativa InsuResilience. E programas similares no nível regional.

Investimentos e infraestrutura resilientes

Uma maneira inteligente e sustentável de proteger as sociedades contra os efeitos das mudanças climáticas é, referiu o Comissário, construir a nova infraestrutura “logo em primeiro lugar” e deve ser bem construída.

Infraestrutura resiliente e meios de subsistência são facilitadores críticos para a prosperidade e o crescimento de sociedades vulneráveis.

O Plano de Ação da UE para Financiar o Crescimento Sustentável concentra-se nos aspetos ambientais e sociais:

um em cada cinco euros do orçamento europeu apoia a ação climática;

40% do financiamento ao abrigo do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos vai para projetos de ação climática;

mais 65% de todos os projetos humanitários da UE incluem atividades de preparação para catástrofes.

A resposta da União Europeia

O Mecanismo Europeu de Proteção Civil está a reforçar a prevenção e preparação e fortalecer a resposta aos desastres naturais. O rescEU já entrou em vigor e está pronto para agir, fortalecendo a proteção civil europeia em duas formas críticas:

fortalece a resposta coletiva da Europa aos desastres. Estabelecendo uma reserva adicional dos ativos mais necessários. Especialmente aviões de combate a incêndio e helicópteros, em seguida hospitais de campo móveis.

criando uma “rede de segurança” que está disponível quando as capacidades nacionais estão sobrecarregadas.

O objetivo do rescEU que que nenhum país fique sozinho em momentos de desastres e de emergência mas também reforçar a prevenção.

O rescEU vai agilizar a maneira como é compartilhado o conhecimento, especialização e melhores práticas, através da Rede de Conhecimento da Proteção Civil.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!