Anticoagulantes podem salvar pacientes de COVID-19 hospitalizados

Investigação demonstra que anticoagulantes podem desempenhar um papel importante no tratamento de pacientes com COVID-19, impedindo possíveis eventos mortais, incluindo ataque cardíaco, derrame e embolia pulmonar.

0
Anticoagulantes podem salvar pacientes de COVID-19 hospitalizados
Anticoagulantes podem salvar pacientes de COVID-19 hospitalizados. Foto: © Rosa Pinto

Tratar pacientes de COVID-19 hospitalizados com anticoagulantes, ou seja, que diminuem a coagulação, pode melhorar as possibilidades de sobrevivência, relatam investigadores do The Mount Sinai Hospital, no estudo, publicado na edição de 6 de maio do Journal of American College of Cardiology. No artigo os investigadores fornecem novas informações sobre como tratar e gerir pacientes com coronavírus, depois de darem entrada no hospital.

Os investigadores constataram que pacientes hospitalizados com COVID-19 tratados com anticoagulantes tiveram melhores resultados tanto dentro como fora da unidade de cuidados intensivos. A investigação também mostrou que a diferença nos eventos hemorrágicos entre os pacientes tratados com e sem anticoagulantes não foi significativa. Os investigadores do Mount Sinai referem que o seu trabalho descreve um importante caminho terapêutico para pacientes com COVID-19.

“Esta investigação demonstra que anticoagulantes administrados por via oral, subcutânea ou intravenosa podem desempenhar um papel importante no tratamento de pacientes com COVID-19, e isso pode impedir possíveis eventos mortais associados ao coronavírus, incluindo ataque cardíaco, derrame e embolia pulmonar”, referiu o investigador Valentin Fuster, diretor do Mount Sinai Heart (o hospital número seis do país em Cardiologia / Cirurgia Cardíaca) e médico chefe do The Mount Sinai Hospital.

O investigador acrescentou: “O uso de anticoagulantes deve ser considerado quando os pacientes são admitidos nas urgências e com teste positivo a COVID-19”, mas “cada caso deve ser avaliado de maneira individualizada para explicar o risco potencial de derrames”.

Uma investigação recente da Escola de Medicina de Icahn, no Mount Sinai, mostra que um grande número de pacientes com COVID-19 hospitalizados desenvolveu altos níveis de coágulos sanguíneos com risco de vida, levando a eventos tromboembólicos potencialmente mortais.

Uma equipa de pesquisadores avaliou registos de 2.773 pacientes confirmados com COVID-19 admitidos em cinco hospitais do Sistema de Saúde Mount Sinai, na cidade de Nova York (Hospital Mount Sinai, Mount Sinai West, Mount Sinai Morningside, Mount Sinai Queens e Mount Sinai Brooklyn) entre 14 de março e 11 de abril de 2020.

Os investigadores analisaram especificamente as taxas de sobrevida dos pacientes aos quais foram administrados anticoagulantes versus aqueles não receberam anticoagulantes. Os investigadores levaram em consideração certos fatores de risco antes de avaliar a eficácia da anticoagulação, incluindo idade, etnia, condições pré-existentes e os que já usavam anticoagulantes.

Dos pacientes com COVID-19 analisados, 786, ou 28%, receberam uma dose de tratamento completo de anticoagulantes – uma dose mais alta do que a normalmente administrada na prevenção de coágulos sanguíneos e geralmente administrada àqueles que já têm coágulos ou estão suspeitos de ter coágulos. O tratamento com anticoagulantes foi associado à melhora da sobrevida hospitalar entre pacientes com COVID-19, dentro e fora da unidade de cuidados intensivos.

Dos pacientes que não sobreviveram, os que receberam anticoagulantes morreram após passar uma média de 21 dias no hospital, em comparação com os pacientes que não receberam anticoagulantes que morreram após uma média de 14 dias no hospital. O efeito da anticoagulação teve um efeito mais pronunciado em pacientes ventilados. 62,7% dos pacientes intubados que não foram tratados com anticoagulantes morreram, em comparação com 29,1% para pacientes intubados tratados com anticoagulantes. Dos pacientes intubados que não sobreviveram, verificou-se que os que não receberam anticoagulantes morreram após 9 dias, enquanto os que receberam anticoagulantes morreram após 21 dias.

Todos os pacientes do estudo fizeram exames de sangue quando chegaram ao hospital, incluindo a medição de vários marcadores inflamatórios. A análise de seus prontuários mostrou que os pacientes que receberam anticoagulantes apresentaram marcadores inflamatórios mais elevados em comparação aos pacientes não tratados com anticoagulantes. Isso pode sugerir que pacientes com doenças mais graves podem beneficiar de anticoagulantes desde o início.

O estudo observacional também explorou a associação do tratamento anticoagulante sistémico com eventos hemorrágicos. Hemorragias maiores foi definido como:

1) hemoglobina <7 g / dL e qualquer transfusão de glóbulos vermelhos;

2) pelo menos 2 unidades de transfusão de glóbulos vermelhos em 48 horas;

3) um código de diagnóstico para hemorragia grave, incluindo hemorragia intracraniana; hematémese; melena; úlcera péptica com hemorragia; hemorragia do cólon, retal ou anal; hematúria; hemorragia ocular; e gastrite hemorrágica aguda. Entre os que não receberam anticoagulantes, 38 (1,9%) pacientes tiveram eventos hemorrágicos, em comparação com 24 (3%) entre os que receberam anticoagulantes, p = 0,2.

“Esperamos que este relatório que associa terapia de anticoagulação a melhor sobrevida seja confirmado em futuras investigações. Os cientistas do Mount Sinai continuam a analisar os dados dos pacientes com COVID-19, para contribuir para os esforços mundiais para encontrar tratamentos eficazes”, referiu David Reich, presidente e diretor de operações do Hospital Mount Sinai.

“Como cardiologista estive em serviço a cuidar de pacientes com COVID-19 nas últimas três semanas, e observei uma quantidade crescente de casos de coágulo sanguíneo entre pacientes hospitalizados, por isso é fundamental verificar se os anticoagulantes beneficiam estes doentes”, referiu Anu Lala, da Escola de Medicina Icahn no Mount Sinai. “É importante observar que análises adicionais e estudos prospetivos são necessários para determinar a eficácia do uso generalizado de anticoagulantes em pacientes hospitalizados com COVID-19”.

“Este estudo está a abrir as portas para um estudo mais extenso que será realizado com 5.000 pacientes positivos a COVID-19, onde vamos avaliar a eficácia de três tipos de terapia antitrombótica – antitrombótica oral, heparina subcutânea e heparina intravenosa”, e talvez, envolva dados para estudos clínicos prospetivos “, referiu Girish Nadkarni, co-diretor do Centro de Informática COVID do Mount Sinai. “Estamos empolgados com esses resultados preliminares que podem ter um impacto positivo nos pacientes com COVID-19 e potencialmente dar-lhes uma hipótese maior de sobrevivência, embora sejam necessários mais estudos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!