Boeing reage a relatório de investigação preliminar ao Voo 302 da Ethiopian Airlines

Relatório de investigação preliminar do voo 302 da Ethiopian Airlines, de um Boeing 737 MAX 8, aponta para falhas de software. A Boeing indica que está a fazer correções ao software e que estabeleceu um programa de treino para pilotos.

0
Boeing reage a relatório de investigação preliminar ao Voo 302 da Ethiopian Airlines
Boeing reage a relatório de investigação preliminar ao Voo 302 da Ethiopian Airlines. Foto: Boeing

A Boeing reagiu hoje ao relatório de investigação preliminar do voo 302 da Ethiopian Airlines pelo realizado pelo Ethiopian Accident Investigation Bureau (AIB).

O presidente e CEO da Boeing Commercial Airplanes, Kevin McAllister, começou por apresentar mais uma vez as “mais profundas condolências às famílias e entes queridos daqueles que perderam suas vidas no acidente”,

Kevin McAllister acrescentou: “Agradecemos ao Departamento de Investigação de Acidentes da Etiópia pelo seu trabalho árduo e contínuos esforços. Entender as circunstâncias que contribuíram para este acidente é fundamental para garantir um voo seguro. Analisaremos cuidadosamente o relatório preliminar da AIB e tomaremos todas as medidas necessárias para melhorar a segurança das nossas aeronaves.”

A segurança é um valor fundamental para todos na Boeing e para a segurança de nossos aviões, os passageiros e as equipas dos nossos clientes são sempre a nossa principal prioridade. Os especialistas técnicos da Boeing continuam a ajudar nesta investigação e as equipas de toda a empresa estão a trabalhar para lidar com as lições do acidente da Lion Air Flight 610, de outubro.

O relatório preliminar contém informações do registo de dados de voo que indicam que o avião tinha uma entrada do sensor de ângulo de ataque errada que ativou a função MCAS (Sistema de Melhoramento das Características de Manobra) durante o voo, como ocorreu durante o voo Lion Air 610.

Para garantir que a ativação não intencional do MCAS não ocorra novamente, a Boeing desenvolveu e planeia lançar uma atualização de software para o MCAS e um programa abrangente de treino de pilotos e de treino complementar para o 737 MAX.

A Boeing indica que a atualização do software adiciona novas camadas de proteção que impedem que dados errados causem a ativação do MCAS. As tripulações de voo vão ter sempre a capacidade de ignorar o MCAS e controlar manualmente o avião.

A companhia reforça que “continua a trabalhar com a Administração Federal de Aviação dos EUA e com outras agências reguladoras em todo o mundo no desenvolvimento e certificação da atualização do software e programa de treino.”

A Boeing indica ainda que vai continuar a trabalhar em estreita colaboração com o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA (NTSB) como consultores técnicos em apoio à investigação da AIB”, mas que está impedida, por protocolo internacional e regulamentos da NTSB, “de divulgar qualquer informação relacionada à investigação”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!