Cacau melhora atividade de pessoas com doença arterial periférica

Consumo de cacau aumenta o fluxo sanguíneo e melhora algumas funções musculares levando a um melhor desempenho na caminhada, em pacientes com doença arterial periférica. Concluiu estudo publicado na revista Circulation Research da American Heart Association.

0
Cacau melhora atividade de pessoas com doença arterial periférica
Cacau melhora atividade de pessoas com doença arterial periférica. Foto: TVEuropa

A doença arterial periférica (DAP), que se caracteriza por um estreitamento das artérias que reduz o fluxo sanguíneo do coração para as pernas, apresenta sintomas como dor, aperto, cãibras, fraqueza ou outro desconforto nos músculos das pernas durante o caminhar.

Um estudo envolvendo 44 pacientes com doença arterial periférica e com mais de 60 anos, mostrou os benefícios do consumo de cacau no caminhar. Os pacientes que beberam uma bebida contendo cacau rico em flavanol, três vezes ao dia, durante seis meses, foram capazes de caminhar mais 42,6 metros em comparação com os que bebiam o mesmo número e tipo de bebidas mas sem cacau. Os que beberam o cacau rico em flavanol também tiveram um melhor também mostraram melhor desempenho.

“Poucas terapias estão disponíveis para melhorar o desempenho da marcha em pessoas com DAP”, referiu Mary McDermott, principal autora do estudo. “Além de reduzir o fluxo sanguíneo para as pernas, as pessoas com doença arterial periférica têm danificadas as mitocôndrias nos músculos da pantorrilha, talvez devido o um fluxo sanguíneo reduzido.

As mitocôndrias são conhecidas como a potência da célula, que convertem alimentos em energia. Investigações anteriores mostraram que uma melhor saúde e atividade mitocondrial está associada a um melhor desempenho na caminhada e uma melhoria da saúde das mitocôndrias danificadas pode levar a melhorias na caminhada”.

Os investigadores levantaram a hipótese de que a epicatequina, um componente importante do flavanol do cacau, pode aumentar a atividade mitocondrial e a saúde muscular em pacientes com doença arterial periférica dos membros inferiores, melhorando potencialmente a capacidade de caminhar. Epicatequinas e flavanóis também têm o potencial de melhorar o fluxo sanguíneo.

Os pacientes que participaram no estudo foram divididos aleatoriamente em dois grupos: um bebeu diariamente leite ou água misturado com o conteúdo de uma embalagem em pó contendo cacau rico em flavanol (15 gramas de cacau e 75 mg de epicatequina) e outro grupo bebeu diariamente leite ou água misturado com o conteúdo de uma embalagem em pó sem cacau ou epicatequina. A bebida foi consumida três vezes ao dia durante seis meses.

O desempenho da caminhada foi medido no início do estudo e aos seis meses, com um teste medido de caminhada de 6 minutos duas vezes. Os participantes também foram submetidos a um teste de caminhada em esteira e tiveram o fluxo sanguíneo nas pernas medido por ressonância magnética (RM). Os participantes que consentiram fizeram uma biópsia do músculo da pantorrilha para avaliar a saúde muscular.

O cacau usado no estudo é o que se encontra vulgarmente disponível em pó de cacau natural sem açúcar. Que é rico na epicatequina flavanol, que é encontrado em maiores quantidades no chocolate escuro (> 85% cacau) do que no chocolate leite. Não se espera que o chocolate comum tenha o mesmo efeito.

 

Os investigadores descobriram que os pacientes que consumiram cacau apresentaram melhor desempenho na caminhada. Os pesquisadores também encontraram aumento da atividade mitocondrial, aumento da densidade capilar e outras melhorias na saúde muscular nos que consumiram cacau.

O cacau parece não ter efeito no desempenho da caminhada na esteira. No entanto, Mary McDermott referiu que a caminhada na esteira e o teste de caminhada de 10 quilómetros são medidas distintas de resistência à caminhada e não respondem de forma idêntica à mesma terapia. A melhoria na caminhada de 6 minutos na distância reflete melhor o tipo de caminhada necessária na vida diária e, portanto, esses resultados são um resultado mais relevante para os pacientes com DAP.

“Enquanto esperávamos as melhorias na caminhada, ficamos particularmente satisfeitos ao ver que o tratamento com cacau também estava associado ao aumento da densidade capilar, perfusão dos membros, atividade mitocondrial e uma medida adicional da saúde geral dos músculos esqueléticos”, referiu Mary McDermott. “Se nossos resultados forem confirmados em um estudo de maior dimensão, as descobertas sugerem que o cacau, um produto relativamente barato, seguro e acessível, pode potencialmente produzir melhorias significativas na saúde dos músculos da pantorrilha, no fluxo sanguíneo e no desempenho da caminhada em pacientes com DAP”.

“Pacientes com DAP têm dificuldade em caminhar da mesma forma que as pessoas com insuficiência cardíaca avançada. Os músculos das pernas não recebem fluxo sanguíneo suficiente nos DAP, causando lesões. Neste estudo, o cacau parece proteger o músculo e melhorar o metabolismo”, afirmou Naomi Hamburg, Presidente do Conselho de Doenças Vasculares Periféricas da American Heart Association.

A investigadora acrescentou: “Sabemos que a terapia por exercício ajuda as pessoas com DAP a caminhar mais, e este estudo inicial sugere que o cacau pode tornar-se uma nova maneira de tratar pessoas com DAP. Vamos precisar de estudos de maior dimensão para confirmar se o cacau é um tratamento eficaz para os DAP, e se poderão a vir ser prescritas receitas de chocolate para nossos pacientes com DAP “.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!