Coronavírus de Wuhan tem transmissão humana idêntica ao SARS

Investigadores do Instituto Pasteur de Xangai concluíram que o coronavírus de Wuhan possui o mesmo mecanismo de infeção do vírus da SARS de 2002/2003. O morcego é o provável hospedeiro nativo, mas pode haver um ou vários hospedeiros intermédios.

0
Coronavírus de Wuhan tem transmissão humana idêntica ao SARS
Coronavírus de Wuhan tem transmissão humana idêntica ao SARS, © Science China Press

O conjunto de casos de pneumonia na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China, foi relatado pela primeira vez em 30 de dezembro de 2019 pela Comissão Municipal de Saúde de Wuhan. Mais tarde, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) determinaram e anunciaram um novo coronavírus (CoV), denominado CoV de Wuhan ou 2019-nCoV, que causou o surto de pneumonia.

A atual emergência de saúde pública assemelha-se parcialmente ao surgimento do surto de SARS no sul da China em 2002, que levou a mais de 8.000 infeções humanas e a 774 mortes. Em 15 de janeiro de 2020, havia mais de 40 casos confirmados em laboratório da infeção pelo novo CoV de Wuhan com uma morte e vários casos exportados no Japão e na Tailândia. Em presença da atual emergência de saúde pública, é imperativo entender a origem e os disseminadores nativos do CoV de Wuhan.

“Para entender a origem do CoV de Wuhan e sua relação genética com outros coronavírus, realizamos análises filogenéticas de sequências de coronavírus colhidas de várias fontes”, referiu Pei Hao, do Instituto Pasteur de Xangai, autor do estudo, já publicado na revista cientifica “Life Sciences”.

Os resultados do estudo mostraram que o novo coronavírus pertence ao género Betacoronavirus e partilha um ancestral comum com os coronavírus do tipo SARS, ou seja como o SARS que causou a epidemia em 2002 e2003. Seu ancestral comum assemelha-se mais ou menos ao coronavírus de morcego HKU9-1. Com base na relação evolutiva do betacoronavírus, o morcego é provavelmente o hospedeiro nativo do CoV de Wuhan, embora seja provável que exista um ou mais hospedeiros intermediários na cascata de transmissão de morcegos para humanos.

“Para avaliar o risco para a saúde humana da transmissão do CoV de Wuhan, realizamos uma modelagem estrutural da sua proteína spike (S), que é essencial para a interação coronavírus-hospedeiro, e avaliamos sua capacidade de mediar a infeção humana”, referiu Pei Hao. A energia livre de ligação da proteína spike de CoV de Wuhan ao ACE2 humano (recetor de infeção humana) é de -50,6 kcal / mol, o que é considerado uma afinidade de ligação significativa ao ACE2 humano, apesar de um pouco mais fraca do que a entre SARS-CoV S- proteína e ACE2 que é de -78.kcal / mol. Os resultados apontam para a importante descoberta de que a proteína S do CoV de Wuhan suporta uma forte interação com as moléculas ACE2 humanas, apesar de sua diversidade de sequências da proteína S do SARS-CoV. ”

Os importantes resultados do estudo não apresentaram apenas pela primeira vez a evidência de transmissão humana pelo novo coronavírus de Wuhan, o 2019-nCoV, mas também foram indicativos do seu mecanismo de infeção que é o mesmo do vírus da SARS responsável pela epidemia de 2002/2003.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!