COVID-19 causa lesões neurológicas com frequência

Investigação mostra que a COVID-19 provoca, com frequência, lesões neurológicas que podem ser graves. Para salvar os pacientes os médicos devem aumentar a estabilização dos níveis de oxigénio corporal em pacientes com COVID-19.

0
COVID-19 causa lesões neurológicas com frequência
COVID-19 causa lesões neurológicas com frequência

Não há evidência que o novo coronavírus responsável pela COVID-19 invada diretamente o cérebro ou os nervos. No entanto, causa lesões neurológicas potencialmente graves em uma em cada sete pessoas infetadas, concluiu um novo estudo de investigação. Estas lesões podem variar desde uma confusão temporária, devido aos baixos níveis de oxigénio corporal, até derrames e convulsões nos casos mais graves, referem os autores do estudo.

O estudo, já publicado na revista “Neurology online”, liderado por investigadores da NYU Grossman School of Medicine não mostrou nenhum caso de inflamação do cérebro ou dos nervos (meningite ou encefalite), indicando que não houve invasão imediata desses órgãos pelo vírus pandémico, SARS-CoV-2.

Embora não haja confirmação do vírus no cérebro, isso não deve tranquilizar os pacientes, pois as complicações neurológicas pela COVID-19 devem ser levadas a sério. Porque aumentam dramaticamente o risco de um paciente morrer enquanto ainda está no hospital, o que acontece em 38%, referem os investigadores. Esses efeitos adversos também aumentam em 28% a probabilidade de um paciente com coronavírus precisar de terapia de longo prazo ou de reabilitação imediatamente após sua permanência no hospital.

“Os resultados do nosso estudo não mostraram sinais de que o coronavírus ataque diretamente o sistema nervoso”, referiu a médica e investigadora principal do estudo, Jennifer Frontera. “As complicações neurológicas vistas na COVID-19 são predominantemente os efeitos secundários de estar gravemente doente e sofrer de baixos níveis de oxigénio no corpo por períodos prolongados de tempo”, referiu Jennifer Frontera, do Departamento de Neurologia da NYU Langone Health.

No estudo os investigadores monitoraram o progresso de 606 pacientes adultos COVID-19 com diagnóstico de perturbações no cérebro ou com outras condições médicas relacionadas aos nervos nos quatro hospitais Langone da NYU na cidade de Nova York e Long Island entre 10 de março e 20 de maio, quando as infeções por coronavírus estavam no auge na região.

Problemas neurológicos

Os primeiros relatórios da Ásia e da Europa, onde as infeções aumentaram antes de aumentarem nos Estados Unidos, também “dispararam o alarme” sobre possíveis danos cerebrais causados ​​pela infeção pelo coronavírus. Por causa disso, a equipa de investigação estava pronta para procurar qualquer sinal de disfunção neurológica entre os milhares de pacientes admitidos no hospital na primavera. Entre todos os hospitais, 4.491 pacientes testaram positivo para COVID-19 durante esse período.

O estudo revela que problemas neurológicos comuns, como confusão causada por desequilíbrios eletrolíticos químicos, infeção grave ou insuficiência renal, estavam entre os diagnósticos que surgiam 48 horas após o desenvolvimento de sintomas gerais de COVID-19, incluindo febre, dificuldade em respirar e tosse.

Metade dos neurologicamente afetados tinha mais de 71 anos e os que não experimentaram disfunção cerebral tinham em media 63 anos. A maioria (66%) eram homens e 63% brancos. Jennifer Frontera observou que os resultados do estudo sugerem que os de etnia negra não têm maior risco de complicações neurológicas do que outros pacientes com COVID-19, o que é uma “boa notícia”, visto que os de etnia negra são amplamente conhecidos por apresentarem maior risco de morte por infeção por coronavírus. No entanto, referiu que esta observação potencialmente importante requer mais investigação.

Estabilizar níveis do oxigénio pode salvar vidas

Embora o coronavírus seja conhecido por atacar outros órgãos, incluindo vasos sanguíneos e o coração, os investigadores referem que seu principal alvo são os pulmões, onde dificulta a respiração, deixando o corpo sem oxigénio de que precisa para se manter vivo. Os baixos níveis de oxigénio no corpo e no cérebro foram outro problema neurológico comum que o estudo revelou, baixos níveis que podem levar à confusão, ao coma ou a danos cerebrais permanentes.

“Os resultados do nosso estudo sugerem que os médicos precisam ser mais agressivos na estabilização dos níveis de oxigénio corporal em pacientes com a COVID-19 como uma terapia potencialmente chave para interromper, prevenir e / ou possivelmente reverter problemas neurológicos”, referiu Steven Galetta, investigador sénior do estudo.

Philip K. Moskowitz, professor e chefe do Departamento de Neurologia da NYU Langone, referiu que várias terapias de aumento de oxigénio no sangue que podem funcionar contra problemas neurológicos em pacientes com COVID-19 incluem intubação precoce ou uso de máquinas de apoio ao coração e pulmões (ECMO), que mecanicamente “limpam” o sangue e “distribuem” oxigénio.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!