COVID-19 compromete cognição como a doença de Alzheimer

Coronavírus que causa a COVID-19 pode levar a comprometimento cognitivo semelhante à doença de Alzehimer, conclui estudo de investigação. Pessoas com COVID-19 podem sofrer, mesmo a longo prazo, de problemas neurológicos.

0
COVID-19 compromete cognição como a doença de Alzheimer
COVID-19 compromete cognição como a doença de Alzheimer. Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genómica da Clínica Cleveland. Foto: Cleveland Clinic

Um novo estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Cleveland Clinic identificou mecanismos que a pode levar a COVID-19 à demência tal como acontece na doença de Alzheimer. Os resultados do estudo já foram publicados na Alzheimer’s Research & Therapy.

São conhecidos relatos de complicações neurológicas em pacientes com COVID-19 e em pacientes “a longo prazo” em que os sintomas persistem após o desaparecimento da infeção de COVID-19.

As complicações neurológicas de pessoas infetadas e após infeção estão a tornar-se mais comuns, o que sugere que o coronavírus SARS-CoV-2 que causa a COVID-19 pode ter efeitos duradouros na função do cérebro. No entanto, os investigadores indicam que ainda não é bem compreendido como o coronavírus leva aos problemas neurológicos.

“Embora alguns estudos sugiram que o SARS-CoV-2 infeta as células cerebrais diretamente, outros estudos não encontraram nenhuma evidência do coronavírus no cérebro”, disse Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genómica da Clínica Cleveland e autor principal do estudo.

Para o investigador “identificar como a COVID-19 e os problemas neurológicos estão ligados será fundamental para o desenvolvimento de estratégias preventivas e terapêuticas eficazes para lidar com o aumento das deficiências neurocognitivas que esperamos ver em um futuro próximo.”

No estudo, os investigadores aplicaram inteligência artificial em conjuntos de dados existentes de pacientes com Alzheimer e COVID-19, e mediram a proximidade entre os genes / proteínas do hospedeiro SARS-CoV-2 e as associadas a várias doenças neurológicas onde a proximidade sugere vias de doença relacionadas ou compartilhadas. Os investigadores também analisaram os fatores genéticos que permitiram que o SARS-COV-2 infetasse tecidos e células cerebrais.

Embora os investigadores tenham encontrado poucas evidências de que o coronavírus atinja o cérebro diretamente, eles descobriram relações de rede próximas entre o coronavírus e os genes / proteínas associados a várias doenças neurológicas, mais notavelmente a doença de Alzheimer.

O estudo explorou as associações potenciais entre a COVID-19 e a neuroinflamação e a lesão microvascular cerebral, que são marcas já bem definidas da doença de Alzheimer.

“Descobrimos que a infeção por SARS-CoV-2 alterou significativamente os marcadores de Alzheimer implicados na inflamação do cérebro e que certos fatores de entrada viral são altamente expressos nas células da barreira hematoencefálica”, explicou Feixiong Cheng.

O investigador acrescentou: “Essas descobertas indicam que o vírus pode impactar vários genes ou vias envolvidas na neuroinflamação e lesão microvascular do cérebro, o que pode levar ao comprometimento cognitivo semelhante à doença de Alzehimer.”

Os investigadores também descobriram que indivíduos com o alelo APOE E4 / E4, o maior fator de risco genético para Alzheimer, tinham expressão diminuída de genes de defesa antivirais, o que poderia tornar esses pacientes mais suscetíveis à COVID-19.

“Em última análise, esperamos ter pavimentado o caminho para investigações que conduzam a biomarcadores testáveis ​​e mensuráveis ​​que podem identificar pacientes com maior risco de complicações neurológicas com a COVID-19”, concluiu o investigador Feixiong Cheng.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!