COVID-19 estimula sonhos perturbadores com doença e morte

Pandemia de COVID-19 está a estimular níveis mais elevados de ansiedade e sonhos perturbadores com doença e morte em geral. Investigação concluiu que as mulheres são mais afetadas.

0
COVID-19 estimula sonhos perturbadores com doença e morte
COVID-19 estimula sonhos perturbadores com doença e morte

A ansiedade, o stress e a preocupação causados ​​pela COVID-19 não se limitam às horas do dia, mas estão a afetar, também, os sonhos infundindo mais ansiedade e emoções negativas nos sonhos e estimulando sonhos sobre o próprio vírus, especialmente entre as mulheres, indicam os resultados de estudo de investigação publicados pela American Psychological Association (APA).

Os investigadores relataram os resultados de quatro estudos desenvolvidos em várias partes do mundo sobre os sonhos das pessoas durante a pandemia. Investigações anteriores sugeriram que os sonhos geralmente refletem o que está acontecer nas vidas reais e que outras crises – incluindo guerras, desastres naturais e ataques terroristas – levaram a um aumento de sonhos de ansiedade. O mesmo passa-se com a pandemia de COVID-19.

“Todos esses estudos apoiam a hipótese de continuidade dos sonhos: que os sonhos são consistentes com nossas preocupações ao acordar, em vez de serem uma válvula de escape para compensação, como algumas teorias psicanalíticas mais antigas haviam hipotetizado”, referiu Deirdre Barrett, editora da Dreaming (uma revista da APA) e assistente de psicologia no Departamento de Psiquiatria da Harvard Medical School. “Os níveis mais elevados de ansiedade, sonhos com doença e morte em geral, e COVID-19 especificamente, estão de acordo com isso.”

No geral, os novos estudos também sugerem que os sonhos das mulheres foram mais fortemente afetados pela pandemia do que os dos homens – possivelmente, sugeriu Deirdre Barrett, porque as mulheres estão arcar mais com o fardo dos cuidados, da perda do emprego e de outras dificuldades.

“Os sonhos podem ajudar-nos a entender as nossas reações emocionais à pandemia”, referiu Deirdre Barrett. Por exemplo, uma mãe sonhou que a escola do seu filho a contatou para lhe dizer que toda a turma da criança estava a ser enviada para casa para aí estudar durante a pandemia.

“Quando mães de crianças pequenas ouvem relatos desses sonhos, há risos, mas geralmente também há uma forte empatia com o sentimento de opressão que o sonho dramatiza. Os sonhos podem tornar a pessoa mais consciente do que está a incomodar mais na pandemia – e compartilhá-los com outras pessoas de confiança é um bom começo para falar sobre esses sentimentos compartilhados ”, referiu Deirdre Barrett.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!