COVID-19 provoca doenças cardíacas que podem persistir no tempo

Estudo indica que há evidências claras que a COVID-19 tem implicações no coração causando-lhes danos. Há ainda evidências que o dano cardíaco pode persistir mesmo depois do paciente recuperar e, em alguns casos, o dano pode ser duradouro.

0
COVID-19 provoca doenças cardíacas que podem persistir no tempo
COVID-19 provoca doenças cardíacas que podem persistir no tempo. Imagem: Intermountain Healthcare Heart Institute

Um dos efeitos mais angustiantes da COVID-19 são os graves danos nos pulmões, tornando a respiração difícil ou impossível para os que estão são gravemente afetados. No entanto, há evidências crescentes de que a COVID-19 também danifica o coração. Os danos são causados ​​pelo próprio vírus, por inflamação desencadeada pela resposta do sistema imunológico ao vírus ou pelo aumento da coagulação nos vasos cardíacos.

Agora há evidências de que o dano cardíaco pode persistir mesmo depois do paciente recuperar e, em alguns casos, esse dano pode ser duradouro. Os especialistas simplesmente não sabem com que frequência o dano cardíaco ocorrerá ou se pode afetar pessoas com apenas sintomas leves.

A preocupação é tão grande que foi citada em algumas conferências de futebol universitário como um dos motivos para adiar jogos este ano por medo de que os atletas que contraem COVID-19 possam sofrer problemas cardiovasculares de longo prazo.

No artigo publicado no Journal of Molecular and Cellular Cardiology, Kirk U. Knowlton, do Intermountain Healthcare Heart Institute em Salt Lake City, EUA, indica que examinou mais de 100 estudos publicados relacionados à COVID-19 e aos efeitos da doença no coração.

Embora a doença pulmonar (síndrome do desconforto respiratório agudo grave ou SDRA) tenha sido o problema mais consistente com o vírus, Kirk U. Knowlton descobriu que muitos pacientes também sofrem danos cardiovasculares significativos que podem persistir após terem recuperado da COVID-19.

“Há evidências claras de que COVID-19 pode causar doenças cardíacas”, referiu Kirk U. Knowlton, que é diretor de investigação cardiovascular do Intermountain Healthcare Heart Institute. “Não afeta todos os pacientes, mas afeta cerca de um em cada cinco pacientes internados no hospital com COVID-19.”

“Quando há dano cardíaco, os pacientes têm maior probabilidade de vir a precisar de ventiladores para suportar a respiração e correm um risco substancialmente maior de morrer de COVID-19”, acrescentou. “Além dos efeitos agudos, ainda precisamos aprender mais sobre as implicações de longo prazo do vírus no coração depois das pessoas recuperarem de outra forma.”

O artigo indica que o investigador encontrou vários relatos de miocardite ou inflamação do músculo cardíaco que podem danificar o coração e afetar a capacidade do coração de bombear sangue.

Para o investigador há evidências consideráveis ​​de que a infeção por COVID-19 pode causar danos ao coração em pacientes hospitalizados por meio de vários mecanismos, incluindo miocardite. No entanto, pouco se sabe sobre os efeitos do vírus no coração em pacientes que não requerem hospitalização ou naqueles que não desenvolvem doença pulmonar significativa.

Embora as crianças sejam geralmente poupadas dos efeitos mais devastadores da COVID-19, a mesma pode desencadear uma doença semelhante à de Kawasaki em crianças, conhecida como Síndrome Inflamatória Multissistémica em Crianças (MIS-C). Isso causa uma inflamação em várias partes do corpo, incluindo o coração, com evidências de miocardite.

Outras manifestações cardiovasculares de COVID-19 incluem um distúrbio trombótico ou de coagulação que pode manifestar-se como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, acidente vascular cerebral e doença arterial periférica. Além disso, a trombose de vasos pequenos e médios pode contribuir para a lesão cardíaca.

Kirk U. Knowlton aponta que esta ligação entre doenças cardíacas e vírus transmissíveis não é nova. As autópsias de pacientes que morreram durante a pandemia de gripe de 1918 encontraram danos ao coração, e 50% dos pacientes que morreram de poliomielite entre 1942 e 1951 tiveram miocardite.

Danos cardíacos também foram encontrados em pessoas infetadas com papeira, sarampo e doenças enterovírus. Mas o que é menos compreendido é o papel que o sistema imunológico ativado pelo vírus desempenha nos danos ao coração.

“Muitos pacientes com doenças graves experimentam uma tempestade de citocinas, onde o sistema imunológico entra em overdrive, ataca suas próprias células e causa falência de múltiplos órgãos”, referiu o investigador. “Esses ataques ao coração são uma das maneiras pelas quais acreditamos que o vírus pode causar danos ao coração e miocardite, embora a ligação não seja totalmente clara”.

Tratar COVID-19, “é encontrar um equilíbrio entre permitir que o sistema imunológico lute contra o vírus, mas não tanto a ponto de causar danos ao coração” referiu o investigador, que acredita que os tratamentos que desativam o próprio vírus o impediriam de se replicar pelo corpo (e de ser transmitido a outras pessoas) e que a prevenção da replicação do vírus impediria uma resposta imunológica tão severa.

Esta pode ser uma das maneiras mais eficazes de tratar pacientes que contraem o vírus, especialmente se iniciada precocemente. A maioria dos medicamentos que tratam outras infeções virais evitam a replicação viral.

“Desenvolver uma compreensão mais completa dos efeitos do vírus no coração numa população mais ampla de pacientes infetados com SARS-CoV-2 é de grande importância à medida que são retomadas as atividades e eventos que envolvem grandes grupos e atletas”, acrescentou o investigador. “No momento, a prevenção continua sendo a maneira mais segura de evitar as complicações das doenças cardíacas causadas pelo vírus.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!