COVID-19: Testes serológicos para conhecer taxa real de infeção de uma população

Testes serológicos permitem identificar indivíduos que foram infetados, graves, leves e assintomáticos, e que são potencialmente imunes, e provavelmente não transmitam o coronavírus a outras pessoas. Investigadores descrevem o protocolo para os testes.

0
COVID-19: Testes serológicos para conhecer taxa real de infeção de uma população
COVID-19: Testes serológicos para conhecer taxa real de infeção de uma população. Foto: © Rosa Pinto

Têm vindo a ser desenvolvidos vários testes para detetar o material genético do coronavírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19. Estes testes só permitem a deteção do vírus durante a infeção aguda. Assim, os muitos cientistas consideram que são necessários testes de anticorpos ou serológicos para determinar a taxa real de infeção de uma população.

Num estudo publicado no Current Protocols in Microbiology uma equipa de investigadores considera que para entender as respostas de anticorpos dos indivíduos ao vírus e para identificar pessoas potencialmente imunes à reinfeção são necessários testes serológicos, e para isso os investigadores desenvolveram um protocolo especifico para o desenvolvimento dos testes.

No artigo os investigadores descrevem passo a passo o protocolo em detalhes suficientes para outros investigadores replicarem nos seus laboratórios. O protocolo envolve a expressão e a purificação de segmentos de uma proteína-chave SARS-CoV-2 que é usada em exames de sangue para a presença de anticorpos antivirais.

“Os testes serológicos podem ser usados ​​para identificar indivíduos que foram infetados (incluindo casos graves, leves e assintomáticos) e que agora são potencialmente imunes, o que significa que é improvável que eles transmitam o vírus a outras pessoas”, referem os investigadores, e acrescentaram: “Os profissionais de saúde que são imunes podem cuidar potencialmente de pacientes com COVID-19 correndo um risco mínimo, como para os colegas e outros pacientes”.

Os investigadores também consideram que o plasma convalescente pode servir como uma opção valiosa de tratamento para pacientes com COVID19 grave, principalmente na ausência de outras opções. Um ensaio serológico é fundamental para identificar potenciais doadores de plasma.

A glicoproteína da superfície do vírus, denominada proteína spike, medeia a ligação do vírus às células humanas por meio do seu domínio de ligação ao recetor e medeia a fusão das membranas virais e celulares. Os anticorpos que se ligam à proteína spike, e especialmente ao domínio de ligação ao recetor, podem neutralizar o SARS ‐ CoV ‐ 2.

Por isso os investigadores usaram “diferentes preparações de proteínas recombinantes de pico como antígenos para o teste”, e referem que “os indivíduos não expostos à SARS-CoV-2 são completamente “ingénuos” à proteína spike, e as amostras de soro mostram pouca ou nenhuma reatividade num teste serológico. “É, portanto, fácil distinguir entre indivíduos expostos / imunes e “ingénuos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!