Descobertas as áreas do cérebro ligadas ao consumo de tabaco e de álcool

Investigadores descobriram que a tendência para o álcool está associada ao aumento da conetividade das redes cerebrais e ligada ao processamento de recompensas, e a tendência a fumar está associada à baixa conetividade e ao aumento de impulsividade.

1
Descobertas as áreas do cérebro ligadas ao consumo de tabaco e de álcool
Descobertas as áreas do cérebro ligadas ao consumo de tabaco e de álcool. Imagem: © Universidade de Warwick

Investigadores da Universidade de Warwick descobriram que a baixa conetividade funcional do córtex orbitofrontal lateral, associada à tendência a fumar, está também associada ao aumento da impulsividade – o que pode contribuir para a tendência de fumar. A alta conetividade do córtex orbitofrontal medial relacionado à recompensa em pessoas que bebem pode aumentar a tendência a ser atraída pela recompensa do consumo de álcool.

Um novo estudo de investigação de Jianfeng Feng e de Edmund Rolls do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Warwick, em colaboração com Wei Cheng da Universidade de Fudan, na China, examinou os mecanismos neurais subjacentes a dois tipos principais de comportamento de uso das substâncias, tabaco e bebida alcoólica.

Da esquerda para a direita: Wei Cheng da Universidade de Fudan, Jianfeng Feng e Edmund Rolls da Universidade de Warwick. Foto: Universidade de Warwick
Da esquerda para a direita: Wei Cheng da Universidade de Fudan, Jianfeng Feng e Edmund Rolls da Universidade de Warwick. Foto: Universidade de Warwick

Em 2000, os investigadores descobriram que os fumadores tinham em geral baixa conetividade funcional e, especialmente, no córtex orbitofrontal lateral, uma região do cérebro associada ao comportamento impulsivo. Isto sugere que as pessoas que fumam podem fazê-lo para aumentar a conetividade geral do cérebro com o efeito estimulante da nicotina, e que ser impulsivo pode ser um fator que leva ao tabagismo.

As pessoas que bebem frequentemente bebidas alcoólicas tinham alta conetividade cerebral global, especialmente no córtex orbitofrontal medial, uma região implicada na recompensa. Esta condição sugere que a alta conectividade da região cerebral relacionada à recompensa possa ser um fator que atrai alguns indivíduos para o consumo de bebidas alcoólicas.

Os investigadores indicam que a extensão das mudanças de conetividade funcional nos cérebros das pessoas que bebem bebidas alcoólicas e dos fumadores está correlacionada com a quantidade de álcool e nicotina consumida. Criticamente, eram até mesmo detetáveis ​​em indivíduos que fumavam apenas alguns cigarros ou bebiam uma unidade bebida alcoólica por dia.

Outra descoberta importante é que era possível relacionar a conetividade aos 14 anos de idade a quem viria mais tarde aos 19 anos a fumar ou a consumir bebidas alcoólicas. Isto abre a questão sobre a causalidade do vício.

Edmund Rolls referiu: “Essas descobertas ajudam a mostrar que existem diferentes bases neurais de diferentes tipos de dependência, e que o córtex orbitofrontal, uma região do cérebro chave na emoção, está implicado nesses dois tipos de dependência.”

Para Jianfeng Feng “estas descobertas podem ter implicações importantes para a saúde pública, já que beber e fumar afeta uma grande população em todo o mundo”.

O investigador esclareceu ainda que “uma investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou que existem mais de 1,1 mil milhões de pessoas que fumam tabaco no mundo, e mais de 7 milhões de pessoas morrem por ano devido ao uso do tabaco. Bem como 2,3 mil milhões de pessoas em todo o mundo consomem atualmente bebidas alcoólicas, incluindo mais de um quarto dos adolescentes de 15 a 19 anos. Mais de 3 milhões de pessoas morrem todos os anos em resultado do uso nocivo das bebidas alcoólicas.”

Para o investigador “estas descobertas são fundamentais pois promovem a compreensão sobre as bases neurológicas do fumo e da bebida e também fornecem novas evidências sobre os diferentes mecanismos neurológicos que estão relacionados a esses dois tipos de comportamento aditivo humano, fumar e beber, e esses avanços têm implicações para a prevenção e tratamento do uso dessas duas substâncias”.

Descobertas as áreas do cérebro ligadas ao consumo de tabaco e de álcool
Descobertas as áreas do cérebro ligadas ao consumo de tabaco e de álcool. Imagem: © University of Warwick
Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

1 Comentário

recente antigo mais votado
INFORMAÇÃO OFICIAL. Apenas no intuito de ajudar nessa questão do cigarro, passo informações oficiais. 1) fumo passivo do cigarro é fantasia, nunca existiu, foi “encomendado” por organizações antitabaco, patrocinadas pelo Bloomberg, no Youtube, tem a explicação do dr. Gori do US National Câncer, explicando os motivos, portanto, não existe fumo passivo do cigarro. 2) câncer de pulmão na realidade, é epidemia em quem não fuma, e para piorar, aumenta a niveis galopantes em não fumantes, FONTE. Instituto Lado a Lado câncer de pulmão um novo olhar. 3) outra falsa informaçaõ essa de que morrem 200 mil fumantes todo ano no Brasil, basta acessar o DATASUS, banco de dados, onde médicos de todo o Brasil por formulário informam as causas mortis morrem apenas 925 fumantes ano no Brasil, pois de 2006 a 2010, foram a óbito 4625 fumantes. 4) é a fumaça do diesel que está matando e adoecendo todo mundo, e não o cigarro, basta acessar GloboNews, os beneficios do biodiesel, e mostra claramente na autópsia, como é o pulmão de não fumantes no Brasil, ele é totalmente preto, podre e encharcado. 5) Própria medicina decretou no processo de nr. 583.00.1995.523.167-5 que essas campanhas contra o cigarro sempre foram fantasias, no mesmo processo a medicina sequer encontrou causualidade DIRETA entre fumar e câncer, isso é até o óbvio, pois ninguém sabe as causas do câncer. 6) cientistas da universidade John Hopkins, já alertam o mundo, que câncer nada tem a ver com fatores externos, como o cigarro por exemplo, câncer… Ler mais »