Disponibilidade de Fast Food ligada a mais ataques cardíacos

Consumo de fast food aumenta risco de ataques cardíacos. Estudo recente confirma que quanto maior é a concentração de restaurante de fast food, no local em que se vive, maior é risco de sofrer um ataque cardíaco.

0
Disponibilidade de Fast Food ligada a mais ataques cardíacos
Disponibilidade de Fast Food ligada a mais ataques cardíacos

As pessoas que residem ou trabalham em locais com um grande número restaurantes de fast food sofrem mais ataques cardíacos em comparação locais de menor densidade deste tipo de restaurantes. O estudo foi desenvolvido por investigadores da Universidade de Newcastle, Callaghan, Austrália, e apresentado no 67º Encontro Científico Anual da Sociedade Cardíaca da Austrália e Nova Zelândia (SCANZ) de 2019, que decorreu de 8 a 11 de agosto em Adelaide.

O estudo liderado por Tarunpreet Saluja, da Universidade de Newcastle, também descobriu que por cada loja adicional de fast food, houve, por ano, mais quatro ataques cardíacos (ou enfarte agudo do miocárdio) por cada 100.000 pessoas.

O autor do estudo, Tarunpreet Saluja, da Universidade de Newcastle, Callaghan, Austrália, afirmou: “As descobertas foram consistentes nas áreas rurais e metropolitanas de Nova Gales do Sul, e após ajuste para a idade, obesidade, altos níveis de lipídios no sangue, hipertensão arterial, tabagismo e diabetes. Os resultados enfatizam a importância do ambiente alimentar como um potencial contribuinte para a saúde”.

“A doença cardíaca isquémica, incluindo o enfarte agudo do miocárdio, é uma das principais causas de morte em todo o mundo”, indicou Tarunpreet Saluja. “Sabe-se que comer fast foods está ligado a uma maior probabilidade de ataques cardíacos fatais e não fatais. Apesar disso, há um rápido crescimento na compra e disponibilidade de fast food. Isso destaca a necessidade de explorar o papel da disponibilidade de alimentos na probabilidade de ter um enfarte agudo do miocárdio”.

Este estudo de coorte retrospetivo incluiu 3.070 pacientes internados num hospital com ataque cardíaco na região de Hunter entre 2011 e 2013. O banco de dados continha o código postal de cada paciente, permitindo que os investigadores analisassem o ambiente de fast food em redor do local de residência.

Os investigadores registaram o número total de pontos de venda dentro de cada área local e compararam diferentes áreas para analisar a associação entre densidade de restaurantes de fast food e incidência de enfarte agudo do miocárdio.

“Estudos anteriores mostraram que o baixo valor nutricional, alto teor de sal e gordura saturada em fast food está ligado a doenças cardíacas, mas o papel de maior acesso a esses restaurantes tem sido menos claro”, referiu Tarunpreet Saluja.

“A presença onipresente de fast food é considerada importante para o contínuo desenvolvimento das áreas rurais e metropolitanas”, acrescentou. “A ligação com a saúde precária acrescenta uma visão da comunidade na gestão de doenças cardiovasculares e enfatiza a necessidade de direcionar essa questão para futuras estratégias e legislação de promoção da saúde pública”.

Tom Marwick, presidente do Comité do Programa Científico da SCANZ 2019, referiu: “Este é um documento importante que documenta a associação entre fast foods e eventos cardíacos, independente de fatores de risco. Será crucial investigar se esta associação é independente dos determinantes sociais da doença, pois sabemos que os estabelecimentos de fast food são frequentemente mais comuns em áreas desfavorecidas. No entanto, os resultados são um alerta de que os impulsionadores fundamentais da carga de doenças cardiovasculares podem ser alterados por mudanças nas políticas públicas. O fato de que as medidas políticas apropriadas não foram tomadas, apesar do custo das doenças cardiovasculares, permanece um mistério na Austrália como em qualquer outro lugar do mundo”.

Para Jeroen Bax, ex-presidente da Sociedade Europeia de Cardiologia, “enfrentar doenças cardíacas requer responsabilidade individual e ações ao nível populacional. Este estudo destaca o impacto do ambiente alimentar na saúde. Além de regular a localização e a densidade dos pontos de fast food, as áreas locais devem garantir um bom acesso aos supermercados com alimentos saudáveis​​”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!