Enfarte na mulher manifesta-se mais tarde, mas mata mais

Como forma de lembrar o Dia Internacional da Mulher, que se assinala a 8 de março, o médico Pedro Farto e Abreu esclarece, neste seu artigo, que os sintomas de enfarte na mulher podem ser diferentes, levar a atraso na procura de ajuda e aumentar o risco de morte.

0
Pedro Farto e Abreu, médico, Coordenador Nacional da iniciativa Stent Save a Life – Não perca tempo, Salve uma Vida
Pedro Farto e Abreu, médico, Coordenador Nacional da iniciativa Stent Save a Life – Não perca tempo, Salve uma Vida. Foto: DR

O enfarte agudo do miocárdio, também conhecido como ataque cardíaco, ocorre quando uma ou mais das artérias que irriga o coração ficam obstruídas, o que impede a passagem das quantidades de sangue e oxigénio necessárias ao normal desenvolvimento deste músculo.

O coração das mulheres é menor, as artérias coronárias são mais estreitas e de um modo geral a frequência cardíaca em repouso é superior. Por outro lado, os sintomas de enfarte na mulher também podem ser diferentes. Muitas vezes, a conjugação de dor no peito associada à dor no braço e maxilares não está tão presente, e o enfarte pode manifestar-se com náuseas, vómitos e dor na zona do estômago. De um modo geral, a não associação aos sintomas mais típicos de enfarte leva a que a procura por ajuda médica seja mais tardia, o que tem efeitos na eficácia do tratamento e consequentemente na evolução clínica imediata e futura.

Na presença destes sintomas é importante ligar imediatamente para o número de emergência médica – 112 e esperar pela ambulância que estará equipada com aparelhos que registam e monitorizam a atividade do coração e permitem diagnosticar o enfarte. A pessoa deve evitar tentar chegar a um hospital pelos seus próprios meios.

Também existem diferenças entre os fatores de risco nos homens e nas mulheres. Em geral, a doença coronária manifesta-se na mulher 10 anos mais tarde do que nos homens. As mulheres após menopausa, hipertensas, diabéticas e/ou obesas, têm maior risco de enfarte com aumento da mortalidade. Também as mulheres mais jovens, que sejam fumadoras e que ao mesmo tempo façam contraceção hormonal, têm mais precocemente risco acrescido de enfarte.

Apesar das diferenças entre os sintomas e os fatores de risco, entre homens e mulheres, a prevenção deve ser a mesma: praticar exercício físico, não fumar, ter uma alimentação saudável e consultar um médico regularmente.

Artigo de Opinião: Pedro Farto e Abreu, médico, Coordenador Nacional da iniciativa “Stent Save a Life – Não perca tempo, Salve uma Vida”, da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular.

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular, é uma entidade sem fins lucrativos, tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!