Fruta e chá podem proteger da doença de Alzheimer

Estudo de investigação que acompanhou pessoas ao longo de 20 anos mostra que um baixo consumo de alimentos ricos em flavonoides, como frutas e chá, está associado a maior risco de Alzheimer. Os investigadores chamam a atenção para um cuidado com a dieta.

0
Fruta e chá podem proteger da doença de Alzheimer
Fruta e chá podem proteger da doença de Alzheimer

Os adultos com idade avançada que ao longo do tempo consumiram pequenas quantidades de alimentos ricos em flavonoides, como bagas, maçãs e chá, viram o risco de desenvolver a doença de Alzheimer e demências relacionadas aumentar duas a quatro vezes, ao longo dos últimos 20 anos, em comparação com os que consumiram maiores quantidades.

O novo estudo epidemiológico liderado por cientistas do Centro de Investigação em Nutrição Humana Jean Mayer do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para o Envelhecimento da Tufts University envolveu 2.800 pessoas com 50 anos ou mais, examinou ao longo de 20 anos a relação entre a ingestão de alimentos que contêm flavonoides e o risco de doença de Alzheimer (DA) e a doença de Alzheimer e demências relacionadas.

Os flavonoides são substâncias naturais encontradas nas plantas, incluindo nas frutas e vegetais, como peras, maçãs, bagas, cebolas e bebidas à base de plantas, como chá e vinho. Os flavonoides estão associados a vários benefícios para a saúde, incluindo uma inflamação reduzida. O chocolate escuro é outra fonte de flavonoides.

A equipa de investigadores determinou que a baixa ingestão de três tipos de flavonoides estava ligada a um maior risco de demência quando comparada com uma maior ingestão. Especificamente:

A baixa ingestão de flavonoides (maçãs, peras e chá) foi associada ao dobro do risco de desenvolver doença de Alzheimer e demências relacionadas.

A baixa ingestão de antocianinas (mirtilos, morangos e vinho tinto) foi associada a um risco quatro vezes maior de desenvolver doença de Alzheimer e demências relacionadas.

A baixa ingestão de polímeros flavonoides (maçãs, peras e chá) foi associada ao dobro do risco de desenvolver doença de Alzheimer e demências relacionadas.

Embora muitos estudos tenham antes analisado associações entre nutrição e demências em curtos períodos de tempo, o estudo agora publicado no American Journal of Clinical Nutrition analisou a exposição ao longo de 20 anos.

O investigador Paul Jacques e autor do estudo referiu: “O nosso estudo dá-nos uma imagem de como a dieta a longo do prazo pode estar relacionada ao declínio cognitivo de uma pessoa, pois conseguimos observar a ingestão de flavonoides durante muitos anos antes dos diagnósticos de demência dos participantes”.

“Atualmente, sem medicamentos eficazes disponíveis para o tratamento da doença de Alzheimer, a prevenção de doenças através de uma dieta saudável é uma consideração importante” acrescentou o investigador.

Os investigadores analisaram seis tipos de flavonoides e compararam os níveis de ingestão a longo prazo com o número de diagnósticos de doença de Alzheimer e demências relacionadas, mais tarde na vida. Os investigadores descobriram que o baixo consumo (percentil 15 º ou inferior) de três tipos de flavonoides foi associada a um maior risco de demência quando comparado com o consumo mais elevado (maior do que 60 º percentil). Exemplos dos níveis estudados incluem:

Baixa ingestão (15 º percentil ou menos) foi igual a nenhuma baga (antocianinas) por mês, cerca de uma e meia maçã por mês (flavonóis), e nenhum chá (polímeros flavonoides).

O consumo elevado (60 º percentil ou superior) era igual a cerca de 7,5 chávenas de mirtilos ou morangos (antocianinas) por mês, 8 maçãs e peras por mês (flavonóis), e 19 chávenas de chá por mês (polímeros de flavonoides).

“Chá, especificamente chá verde e frutas são boas fontes de flavonoides”, referiu a primeira autora do estudo, Esra Shishtar, e acrescentou: “Quando olhamos para os resultados do estudo, vemos que as pessoas que mais beneficiam com o consumo de mais flavonoides são as pessoas com níveis mais baixos de ingestão e não é preciso muito para melhorar os níveis. Uma chávena de chá por dia ou algumas frutas duas ou três vezes por semana seria adequada”.

Paul Jacques também referiu aos 50 anos, a idade aproximada em que os dados foram analisados ​​pela primeira vez para os participantes, não é tarde demais para fazer mudanças positivas na dieta. “O risco de demência começa realmente a aumentar a partir dos 70 anos de idade, e a mensagem de levar para casa é que, quando tiver 50 anos ou mais, deve começar a pensar numa dieta mais saudável, se ainda não o fez”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!