Fumadores tem risco aumentado de AVC quando sofrem de COVID-19

Fumadores e utilizadores de cigarro eletrónico têm riscos aumentados se contraírem COVID-19. Investigação mostra haver maior grau de distúrbios respiratórios e pulmonares e maior risco de distúrbios neurológicos, como derrames isquémicos.

0
Fumadores tem risco aumentado de AVC quando sofrem de COVID-19
Fumadores tem risco aumentado de AVC quando sofrem de COVID-19. Foto: TTUHSC

O coronavírus SARS-CoV-2 e a COVID-19, abriu os tentáculos em todo o mundo, os graves distúrbios respiratórios e pulmonares associados à infeção tornaram-se bem conhecidos. No entanto, estudos recentes também sugeriram disfunções neurológico-cerebrovascular em pacientes com COVID-19, incluindo grandes derrames isquémicos nas artérias que se originam numa das artérias maiores do cérebro, como a carótida.

Luca Cucullo e outros investigadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Técnica do Texas estudam há vários anos os efeitos do fumo do tabaco e do cigarro eletrónico nos sistemas cerebrovascular e neurológico. A sua investigação e a de outros investigadores mostraram que fumadores de produtos de tabaco e de cigarro eletrónico são mais vulneráveis às infeções virais e bacterianas do que os não fumadores.

Luca Cucullo
Luca Cucullo. Foto: TTUHSC

Com base nessas descobertas e nos recentes estudos de caso de pacientes com COVID-19, Luca Cucull e Sabrina Rahman Archie reviram o papel que o fumo do tabaco e o cigarro eletrónico podem desempenhar na disfunção cerebrovascular e neurológica daqueles que contraem o novo coronavírus. O estudo “Disfunção Cerebrovascular e Neurológica sob a Ameaça da COVID-19: Existe um Papel Comórbido no Fumo e no Vaping?” foi publicado em 30 de maio no International Journal of Molecular Sciences.

Em investigação anterior, Luca Cucull demonstrou como o fumo do tabaco pode prejudicar a função respiratória de uma pessoa. A partir daí, pode afetar o sistema vascular e, eventualmente, o cérebro. Como a COVID-19 também ataca os sistemas respiratório e vascular, os investigadores queriam ver se havia algum caso relatado indicando que o vírus também pode afetar o cérebro e levar ao aparecimento de distúrbios neurológicos a longo prazo, como derrames isquémicos. As investigadoras também procuraram evidências de que fumar e usar o cigarro eletrónico podem piorar os resultados para os pacientes com COVID-19, o que parece ser o caso.

Sabrina Rahman Archie
Sabrina Rahman Archie. Foto: TTUHSC

Sabrina Rahman Archie referiu que alguns estudos de caso demonstram que de fato existem ocorrências de AVC em pacientes com COVID-19 e as taxas parecem estar aumentar a cada dia que passa. De facto, um estudo envolvendo 214 pacientes mostrou que 36,45% dos pacientes com COVID apresentavam sintomas neurológicos, indicando ainda que o vírus é capaz de afetar o sistema vascular cerebral.

A investigadora, no entanto, questiona-se: Mas como isto acontece?

Existem no corpo humano aproximadamente 13 fatores de coagulação sanguínea que podem aumentar devido à hipoxia, uma condição que ocorre quando o corpo é privado de quantidades suficientes de oxigénio ao nível do tecido, como ocorre com o fumo. Sabrina Rahman Archie referiu que alguns estudos de caso demonstram que de fato existem ocorrências de AVC em pacientes com COVID-19 e as taxas parecem estar aumentar a cada dia que passa. De facto, um estudo envolvendo 214 pacientes mostrou que 36,45% dos pacientes referiu que a COVID-19 parece também aumentar algum procoagulante do sangue, especialmente o fator von Wellebrand, uma proteína de coagulação do sangue que se liga principalmente ao fator de coagulação VIII e promove a adesão plaquetária no local das feridas.

“Quando o fator coagulante for aumentando em nosso corpo, haverá uma possibilidade maior de formação de coágulos”, explicou a investigadora. “Por fim, será responsável por várias disfunções vasculares, por exemplo, acidente vascular cerebral hemorrágico ou isquémico”.

Como a COVID-19 e o fumo ou o cigarro eletrónico aumentam os fatores de coagulação do sangue que podem afetar o sistema vascular cerebral, Luca Cucull acredita que o risco de acidente vascular cerebral pode ser ainda maior para os pacientes que fumam.

“O COVID-19 parece ter essa capacidade de aumentar o risco de coagulação sanguínea, assim como o fumo”, acrescentou Luca Cucull. “Isso pode resultar em maior risco de derrame”.

Dados recentes de estudos clínicos também mostram que alguns dos danos causados ​​pela COVID-19, especialmente ao sistema respiratório, são permanentes. Luca Cucull referiu que os mesmos dados indicam que os pacientes que recuperam da COVID-19 ainda apresentam um risco elevado de derrame e que a idade e a atividade física não parecem ser fatores. Algumas das pessoas com os maiores fatores de risco para problemas de longo prazo relacionados à COVID-19 são jovens de 20 e 30 anos que estavam ativos e considerados no seu melhor estado físico.

“Depois da COVID-19, alguns deles mal conseguem dar alguns passos sem problemas respiratórios, então a recuperação é meio que formal, mas alguns desses efeitos a longo prazo permanecem”, acrescentou.

Além de prejudicar os sistemas imunológico e vascular e desencadear disfunção cerebrovascular e neurológica, o tabagismo e o cigarro eletrónico geralmente pioram os resultados para pacientes que contraem gripe ou outras doenças respiratórias ou pulmonares. Como a COVID-19 parece afetar muitos dos mesmos sistemas do corpo, Luca Cucull referiu que parece lógico pensar que os riscos para a saúde aumentam para os pacientes que fumam, mas o vírus é novo demais para se ter a certeza.

“Nós nem sabemos se a COVID-19 pode entrar no cérebro porque ninguém realmente verificou isso ainda”, referiu a investigador. “Acho que é muito cedo para este tipo de estudo; a principal preocupação clínica é uma vacina ou a tentativa de aliviar os sintomas, em particular os respiratórios, para que eles nem cheguem tão longe”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!