Irão assume erro no abate de avião ucraniano e população exige justiça

Ucrânia e população iraniana pede responsabilidade e justiça pelo abate de avião ucraniano com misseis pelas forças do Irão. O acidente vitimou os 176 passageiros e tripulantes. O Irão assumiu que se tratou de um grave erro.

0
Irão assume erro no abate de avião ucraniano e população exige justiça
Irão assume erro no abate de avião ucraniano e população exige justiça. Foto: CC/Wikipedia

População iraniana exige, nas ruas de Teerão, responsabilidades e justiça pelo abate do avião da companhia aérea ucraniana “Ukraine International Airlines” no dia 8 de janeiro de 2020 pelas forças militares do Irão.

O avião, um Boeing 737, foi abatido por misseis lançados por engano pelas forças do Irão após ter levantado voo do aeroporto internacional de Teerão com destino a Kiev na Ucrânia com 176 passageiros e tripulantes a bordo que incluíam cidadãos da Ucrânia, do Irão, do Canadá, da Suécia, do Afeganistão, da Alemanha e da Grã-Bretanha.

O Irão já reconheceu que abateu o avião ucraniano com mísseis lançados por engano, e que provocou a morte de todas as 176 pessoas a bordo, e que considerou uma grande catástrofe.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyi, exigiu ao Irão um pedido de desculpas oficial através dos canais diplomáticos, e uma investigação aberta e imparcial com a participação de peritos ucranianos, e o retorno dos corpos de todas as pessoas mortas bem como o pagamento de indeminizações, às famílias das vítimas e à companhia “Ukraine International Airlines”.

Volodymyr Zelenskyi também exige que o Governo do Irão leve à justiça os responsáveis pelo abate do avião civil ucraniano, e “manifestou a esperança de que a investigação seja contínua, sem atrasos nem obstáculos artificiais”, refere nota da Embaixada da Ucrânia em Lisboa.

A nota da Embaixada da Ucrânia em Lisboa refere ainda que “a Ucrânia está disposta a participar ativamente na investigação da catástrofe em conformidade com as normas do Direito Internacional, nomeadamente da Convenção de Chicago”, e nesse sentido enviou “ao Irão uma delegação ucraniana composta por 45 pessoas, da qual fazem parte peritos na esfera da investigação de tais acidentes”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!