Antibióticos podem inibir o linfoma da pele

Antibióticos inibem o cancro na pele em pacientes com Linfoma Cutâneo de Células T. A descoberta, surpreendente, é de uma nova investigação do Centro de Investigação de Imunologia da Pele da Fundação LEO, da Universidade de Copenhaga.

0
Trabalho de Laboratório de investigação
Trabalho de Laboratório de investigação. Foto: DR

Muitos pacientes com Linfoma Cutâneo de Células T (LCCT), um tipo de cancro raro, contraem infeções estafilocócicas na pele. O LCCT é um cancro nas células T do sistema imunológico, que aparece na pele. Portanto, o sistema imunológico do paciente está enfraquecido e a pele é menos resistente a bactérias.

Num novo estudo, investigadores do Centro de investigação em Imunologia da Fundação LEO da Faculdade de Saúde e Ciências Médicas da Universidade de Copenhaga em colaboração com o hospital Aarhus, o hospital da Universidade Zealand e a Universidade de Aarhus, mostraram que um tratamento agressivo com antibióticos, não só inibe as bactérias estafilocócicas, mas também as células cancerosas. Os investigadores verificaram que o número de células cancerosas é reduzido e o cancro é significativamente diminuído durante um período de tempo em pacientes com inflamação severa da pele.

Durante uma infeção estafilocócica, as células imunológicas saudáveis ​​do corpo trabalham com toda a força, produzindo substâncias de crescimento chamadas citocinas, que são usadas para colocar o sistema imunológico em funcionamento. As células cancerosas agarram-se às substâncias de crescimento, usando-as para acelerar seu próprio crescimento. Os resultados da investigação mostraram, pela primeira vez, que o tratamento com antibióticos pode retardar este processo.

O estudo indicou que quando são inibidas as bactérias estafilocócicas com antibióticos, é removida simultaneamente a ativação das células imunológicas. Isso significa que não produzem tantas citocinas e, portanto, “as células cancerosas não podem obter o “combustível” extra. Como resultado, as células cancerosas são inibidas de crescer tão rápido quanto durante o ataque bacteriano. Esta descoberta é inovadora, pois é a primeira vez que vemos essa conexão entre bactérias e células cancerosas em pacientes, referiu Niels Ødum, do Centro de investigação de Imunologia da Pele da Fundação LEO.

A nova descoberta é o resultado de muitos anos de trabalho em que os investigadores realizaram estudos moleculares e testes laboratoriais, recolheram amostras de tecido da pele e do sangue e conduziram estudos clínicos em pacientes cuidadosamente selecionados.

Antibióticos podem ser a chave para novos tratamentos

Até o momento, os pacientes com LCCT com infeções na pele só receberam antibióticos com relutância, porque se temia que, após o tratamento, a infeção regressasse com estafilococos resistentes aos antibióticos. Os investigadores consideram que os novos resultados vão mudar esse receio.

“Estudos anteriores já tinham mostrado que os antibióticos tinham algum tipo de efeito positivo em alguns pacientes, mas nunca tinha sido estudado o que realmente acontecia efetivamente com o cancro. Esta descoberta mostra que pode ser realmente uma boa ideia dar aos pacientes com estafilococos na pele este tratamento, porque inibe o cancro e, ao mesmo tempo, reduz o risco de novas infeções ”, referiu Niels Ødum.

O estudo não sugere a possibilidade do novo conhecimento poder ser transferido para outros tipos de cancro mas para os investigadores o próximo passo é examinar mais em profundidade a ligação entre o cancro e as bactérias.

O investigador Niels Ødum referiu: “Não sabemos se esta descoberta é válida apenas para linfoma. Nós verificamos particularmente neste tipo de cancro porque é um cancro dentro do sistema imunológico. As células cancerosas já ‘entendem’ os sinais que as células imunológicas emitem. Quando as células do sistema imunológico são colocadas em ação, as células cancerosas também funcionam. De qualquer forma, é muito interessante e relevante analisar de perto a interação entre bactérias e cancro”.

“O próximo passo será o desenvolvimento de novos tratamentos que visem apenas as bactérias ‘ruins’, sem prejudicar as ‘boas’ bactérias, que protegem a pele”, concluiu Niels Ødum.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!