Cães podem detetar pessoas com COVID-19

Equipa de investigadores e profissionais de saúde no Reino Unido estão a treinar cães para detetar pessoas infetadas com o novo coronavírus. Os "cães COVID" podem vir a detetar pessoas infetadas ainda antes destas manifestaram qualquer sintoma.

0
Cães podem detetar pessoas com COVID-19
Cães podem detetar pessoas com COVID-19. Foto: DR

Cães especialmente treinados são capazes de detetar coronavírus em pessoas, mesmo antes destas manifestarem sintomas. O treino dos “cães COVID” é liderado por investigadores da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres em colaboração com Medical Detection Dogs e a Universidade de Durham, e conta com o apoio financeiro do Governo do Reino Unido no montante de cerca de 560 mil euros.

Os investigadores vão validar a eficácia dos cães na deteção do coronavírus em humanos a partir do odor. O estudo vai permitir verificar se é possível contar com uma potencial nova medida não invasiva de alerta precoce para detetar o coronavírus no futuro.

O estudo reúne os principais especialistas em controlo de doenças das universidades com os Medical Detection Dogs, que já treinaram cães com sucesso para detetar o odor de muitas diferentes doenças em humanos, como o cancro, malária e a doença de Parkinson.

“Cães de deteção biológica já detetam cancros específicos e acreditamos que esta inovação possa fornecer resultados rápidos como parte de nossa estratégia de testes mais ampla”, referiu o Lord Bethell, Ministro da Inovação inglês, e acrescentou: “A precisão é essencial, e este estudo dirá se “cães COVID” podem detetar com segurança o vírus e impedir que ele se espalhe”.

Numa fase inicial do estudo, a equipa do Serviço Nacional de Saúde inglesa nos hospitais de Londres vai recolher amostras de odor de pessoas infetadas com coronavírus e de pessoas não infetadas. Seis cães de deteção biológica vão ser submetidos a um treino completo para identificar o vírus a partir das amostras.

A Medical Detection Dogs, com mais de 10 anos de investigação, demonstrou que os cães podem rastrear até 250 pessoas por hora, e que podem ser treinados para detetar um odor da doença diluído num equivalente a uma colher de chá de açúcar em duas piscinas olímpicas de tamanho médio de água.

James Logan, investigador principal do estudo e chefe do Departamento de Controle de Doenças da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, referiu: “O nosso trabalho anterior mostrou que a malária tem um odor característico e os Cães de Deteção Médica, foram treinados com sucesso para detetar com precisão a malária. Isto, combinado com o conhecimento de que doenças respiratórias podem alterar o odor corporal, deixa-nos com esperança que os cães também possam detetar a COVID-19”.

Se for bem-sucedida, esta abordagem poderá revolucionar a maneira como é detetado o vírus, com o potencial de rastrear um grande número de pessoas.

Claire Guest, co-fundadora e CEO da Medical Detection Dogs, referiu: “Estamos muito satisfeitos que o Governo nos tenha dado a oportunidade de demonstrar que os cães podem desempenhar um papel na luta contra o COVID-19. Eles têm o potencial de ajudar, examinando rapidamente as pessoas, o que pode ser vital no futuro”.

A responsável pela Medical Detection Dogs concluiu: “Temos a certeza de que nossos cães serão capazes de encontrar o odor do COVID-19 e, em seguida, passaremos para uma segunda fase para testá-los em situações vivas, após a qual esperamos trabalhar com outras agências para treinar mais cães. Estamos muito orgulhosos por o nariz de um cão poder novamente salvar muitas vidas”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!