Consumo de vegetais pode reduzir o risco de doenças cardíacas

Dois estudos observacionais, de longa duração, mostraram que um aumento de consumo de vegetais numa dieta saudável reduz de forma significativa os riscos de doenças cardiovasculares, em jovens adultos e mulheres mais velhas.

0
Consumo de vegetais pode reduzir o risco de doenças cardíacas
Consumo de vegetais pode reduzir o risco de doenças cardíacas. Foto: © Rosa Pinto

Comer alimentos mais nutritivos à base de plantas é saudável para o coração em qualquer idade, indicam dois estudos de investigação publicados no Journal of the American Heart Association.

Investigadores analisaram diferentes medidas de consumo de alimentos vegetais e verificaram que tanto os adultos jovens como as mulheres na pós-menopausa tiveram um risco menor de sofrer ataques cardíacos e eram menos propensos a desenvolver doenças cardiovasculares quando comiam mais alimentos vegetais saudáveis, em comparação com as taxas normais verificadas nestas populações.

As recomendações de dieta e estilo de vida da American Heart Association sugerem um padrão alimentar saudável geral que enfatiza uma variedade de frutas e vegetais, grãos inteiros, laticínios com baixo teor de gordura, aves e peixes sem pele, nozes, legumes e óleos vegetais não tropicais. Também aconselha o consumo limitado de gordura saturada, gordura trans, sódio, carne vermelha, doces e bebidas açucaradas.

O estudo, intitulado “Uma dieta centrada em plantas e o risco de doença cardiovascular incidente durante a juventude à meia-idade”, avaliou se o consumo a longo prazo de uma dieta centrada em plantas e uma mudança em direção a uma dieta centrada em plantas com início na idade adulta jovem estão associados a um menor risco de doenças cardiovasculares na meia-idade.

“Investigações anteriores focavam em nutrientes ou alimentos isolados, mas há poucos dados sobre uma dieta centrada em plantas e o risco de doenças cardiovasculares a longo prazo”, referiu Yuni Choi, principal autor do estudo, Escola de Saúde Pública da Universidade de Minnesota em Minneapolis.

Yuni Choi e colegas examinaram a dieta e a ocorrência de doenças cardíacas em 4.946 adultos inscritos no estudo de Desenvolvimento de Risco de Artéria Coronária em Adultos Jovens. Os participantes no estudo tinham 18 a 30 anos de idade no momento da inscrição (1985-1986) e não tinham doenças cardiovasculares no momento da inscrição. Os participantes incluíram 2.509 adultos negros e 2.437 adultos brancos (54,9% mulheres no geral) que também foram analisados ​​por nível de escolaridade (equivalente a mais do que ensino médio vs. ensino médio ou menos). Os participantes tiveram oito exames de acompanhamento de 1987-88 a 2015-16, que incluíram testes de laboratório, medições físicas, históricos médicos e avaliação de fatores de estilo de vida. Ao contrário dos ensaios clínicos aleatórios, os participantes não foram instruídos a comer certos alimentos e não foram informados das suas pontuações nas medidas da dieta, para que os investigadores pudessem recolher dados sem interferência de preconceitos.

Após as entrevistas detalhadas do histórico da dieta, a qualidade das dietas dos participantes foi avaliada com base no Índice de Qualidade da Dieta A Priori (APDQS, sigla em inglês) composto por 46 grupos de alimentos nos anos 0, 7 e 20 do estudo. Os grupos de alimentos foram classificados em alimentos benéficos (como frutas, vegetais, feijão, nozes e grãos inteiros); alimentos adversos (como batatas fritas, carnes vermelhas com alto teor de gordura, salgados, doces e refrigerantes); e alimentos neutros (como batatas, grãos refinados, carnes magras e mariscos) com base da associação conhecida a doenças cardiovasculares.

Os participantes que receberam pontuações mais altas comeram uma variedade de alimentos benéficos, enquanto as pessoas que tiveram pontuações mais baixas comeram mais alimentos adversos. No geral, os valores mais altos correspondem a uma dieta nutricionalmente rica e centrada nas plantas.

“Ao contrário das pontuações de qualidade da dieta existentes que geralmente são baseadas em um pequeno número de grupos de alimentos, o APDQS é explícito em capturar a qualidade geral da dieta usando 46 grupos de alimentos individuais, descrevendo toda a dieta que a população em geral normalmente consome. A nossa pontuação é muito abrangente e tem muitas semelhanças com dietas como o Dietary Guidelines for Americans Healthy Eating Index (do Serviço de Alimentação e Nutrição do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a dieta DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) e a dieta mediterrânea“, disse David E. Jacobs Jr., autor sénior do estudo, Escola de Saúde Pública da Universidade de Minnesota em Minneapolis.

Os investigadores encontraram:

Durante 32 anos de acompanhamento, 289 dos participantes desenvolveram doenças cardiovasculares (incluindo ataque cardíaco, derrame, insuficiência cardíaca, dor no peito relacionada ao coração ou artérias obstruídas em qualquer parte do corpo).

As pessoas entre os 20% melhores na pontuação de qualidade da dieta de longo prazo (o que significa que comeram os alimentos vegetais mais nutritivos e menos produtos de origem animal) tiveram 52% menos probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, depois de considerar vários fatores (incluindo a idade, sexo, raça, consumo calórico médio, educação, história parental de doença cardíaca, tabagismo e atividade física média).

Além disso, entre o 7º e o 20º ano do estudo, quando as idades dos participantes variavam de 25 a 50, aqueles que melhoraram a qualidade de sua dieta (comendo mais alimentos vegetais benéficos e menos produtos de origem animal com classificação adversos) tiveram 61% menos probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, em comparação com os participantes em que qualidade da dieta diminuiu mais durante esse tempo.

Os investigadores esclareceram que havia poucos vegetarianos entre os participantes, e assim não foi possível avaliar os possíveis benefícios de uma dieta vegetariana estrita, que exclui todos os produtos de origem animal, incluindo carne, laticínios e ovos.

“Uma dieta nutricionalmente rica e centrada em plantas é benéfica para a saúde cardiovascular. Uma dieta centrada em plantas não é necessariamente vegetariana”, referiu o investigador Yuni Choi. “As pessoas podem escolher entre alimentos vegetais que sejam o mais natural possível, não altamente processados. Achamos que os indivíduos podem incluir produtos de origem animal com moderação de vez em quando, como aves e peixes, desde que não fritos, ovos e laticínios com baixo teor de gordura.”

No entanto, os investigadores alertam que o estudo foi observacional, pelo que não pode provar uma relação de causa e efeito entre dieta e doenças cardíacas.

Em outro estudo, os investigadores em colaboração com colegas da Women’s Health Initiative (WHI) liderados por Simin Liu, na Brown University, avaliou se as dietas que incluíam um portfólio dietético de alimentos à base de plantas com alegações de saúde aprovadas pela Food and Drug Administration dos EUA para reduzir os níveis de colesterol “ruim” (conhecido como “Dieta de portfólio”) estavam associadas a menos eventos de doenças cardiovasculares em um grande grupo de mulheres na pós-menopausa.

A “Dieta de Portfólio” inclui nozes; proteína vegetal de soja, feijão ou tofu; fibra solúvel viscosa de aveia, cevada, quiabo, beringela, laranja, maçã e frutos silvestres; esteróis vegetais de alimentos enriquecidos e gorduras monoinsaturadas encontradas no óleo de oliveira e da canola e abacates; junto com o consumo limitado de gorduras saturadas e colesterol dietético.

Anteriormente, dois ensaios clínicos randomizados demonstraram que atingir altos níveis-alvo de alimentos incluídos na Dieta de Portfólio resultou na redução significativa do colesterol “ruim” ou do colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL-C).

O estudo analisou se as mulheres na pós-menopausa que seguiram a Dieta do Portfólio tiveram menos eventos de doenças cardíacas. O estudo incluiu 123.330 mulheres nos Estados Unidos que participaram da Women’s Health Initiative, um estudo nacional de longo prazo que analisou os fatores de risco, a prevenção e a deteção precoce de condições graves de saúde em mulheres na pós-menopausa. Quando as mulheres nesta análise se inscreveram no estudo entre 1993 e 1998, elas tinham entre 50-79 anos (idade média de 62) e não tinham doenças cardiovasculares. O grupo de estudo foi acompanhado até 2017 (tempo médio de seguimento de 15,3 anos). Os investigadores usaram dados de questionários de frequência alimentar auto-relatados para pontuar cada mulher quanto à adesão ao Portfólio de Dieta.

Os investigadores descobriram:

Em comparação com as mulheres que seguiram a dieta de portfólio com menos frequência, aquelas com o alinhamento mais próximo tinham 11% menos probabilidade de desenvolver qualquer tipo de doença cardiovascular, 14% menos probabilidade de desenvolver doença cardíaca coronária e 17% menos probabilidade de desenvolver insuficiência cardíaca.

Não houve associação entre seguir a dieta de portfólio mais de perto e a ocorrência de acidente vascular cerebral ou fibrilação atrial.

“Os resultados representam uma oportunidade importante, pois ainda há espaço para as pessoas incorporarem nas suas dietas mais alimentos vegetais que reduzem o colesterol. Com uma adesão ainda maior ao padrão alimentar do Portfólio, seria de se esperar uma associação com ainda menos eventos cardiovasculares, talvez tanto quanto medicamentos para baixar o colesterol. Ainda assim, uma redução de 11% é clinicamente significativa e atenderia ao limite mínimo de qualquer pessoa para ter um benefício. Os resultados indicam que a dieta de portfólio produz benefícios para a saúde do coração”, disse John Sievenpiper, autor sénior do estudo no St. Michael’s Hospital, da Unity Health Toronto em Ontário, Canadá, e professor associado de ciências nutricionais e medicina na Universidade de Toronto.

Os investigadores acreditam que os resultados do estudo destacam possíveis oportunidades para reduzir as doenças cardíacas, encorajando as pessoas a consumir mais alimentos na Dieta do Portfólio.

“Nós também encontramos uma resposta à dose em nosso estudo, o que significa que pode começar por poucos alimentos e ir adicionando mais componentes da Dieta de Portfólio, e obter mais benefícios para a saúde cardíaca à medida que adiciona mais componentes”, esclareceu Andrea J. Glenn, autora principal do estudo, St. Michael’s Hospital em Toronto.

Embora o estudo tenha sido observacional e não possa estabelecer diretamente uma relação de causa e efeito entre dieta e eventos cardiovasculares, os investigadores acham que fornece uma estimativa mais confiável para a relação dieta-coração até o momento.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!