Doença emergente pós-COVID-19 em crianças apresenta ser grave

Crianças presentam Síndrome Inflamatória Multissistémica relacionada com COVID-19. Estudo identificou, em pós-COVID-19, inflamação das vias aéreas, edema pulmonar progressivo, aneurismas das artérias coronárias e extensas alterações inflamatórias abdominais.

0
Doença emergente pós-COVID-19 em crianças apresenta ser grave
Doença emergente pós-COVID-19 em crianças apresenta ser grave. Foto: © Rosa Pino

Nas últimas semanas, uma condição hiperinflamatória multissistémica emergiu em crianças em associação com a exposição ou infeção prévia ao SARS-CoV-2. Uma nova série de casos publicados na revista ‘Radiology’ examina o espetro das descobertas por imagem em crianças com a condição inflamatória pós-COVID-19 conhecida nos EUA como Síndrome Inflamatória Multissistémica em Crianças (SIM-C).

O conjunto de descobertas inclui inflamação das vias aéreas e rápido desenvolvimento de edema pulmonar, aneurismas das artérias coronárias e extensas alterações inflamatórias intra-abdominais.

Diagnóstico semelhante a doença de Kawasaki

Em abril de 2020, o Hospital Infantil Evelina London, em Londres, Reino Unido, teve um aumento de crianças com uma síndrome hiperinflamatória multissistémica. As crianças apresentaram uma variedade de sintomas, incluindo febre, dores de cabeça, dor abdominal, erupção cutânea e conjuntivite. As características clínicas e as descobertas laboratoriais apresentaram algumas semelhanças com as da doença de Kawasaki. Uma doença que causa inflamação nas paredes dos vasos sanguíneos – síndrome de choque da doença de Kawasaki ou síndrome do choque tóxico, embora atípica e mais grave.

“O nosso hospital viu um grupo sem precedentes de crianças que apresentavam Síndrome Inflamatória Multissistémica, uma nova síndrome hiperinflamatória em crianças relacionada à atual pandemia de COVID-19 – cujo reconhecimento levou a um alerta nacional”, referiu Shema Hameed, radiologista pediatra consultora do Hospital Infantil Evelina London, e principal autora do estudo.

Para o estudo, os investigadores realizaram uma revisão retrospetiva das descobertas clínicas, laboratoriais e de imagem das primeiras 35 crianças menores de 17 anos que foram admitidas no hospital pediátrico que atendiam à definição de SIM-C. As crianças foram admitidas de 14 de abril a 9 de maio de 2020 e incluíram 27 meninos e oito meninas, com idade média de 11 anos.

Descobertas torácicas numa menina de 15 anos com síndrome inflamatória multissistémica em crianças. (a) A radiografia de tórax na admissão mostra leve manguito peri-hilar na parede brônquica. (b) A radiografia de tórax no terceiro dia de internamento demonstra extensa opacificação do espaço aéreo com predominância na zona média e baixa. (c, d) O tórax axial com contraste do tórax no dia 3 mostra áreas de opacificação em vidro fosco e consolidação densa do espaço aéreo com broncogramas aéreos. (c) Conformou-se com um padrão de mosaico com distribuição broncocêntrica na opacificação em vidro fosco (seta branca, d) envolvendo o parênquima pulmonar central e periférico com derrames pleurais (seta pequena preta, d). © Radiological Society of North America

Sintomas e progressão para doença grave

A apresentação clínica mais comum foi febre, encontrada em 33, ou seja em 94%, das crianças, sintomas gastrointestinais, incluindo dor abdominal, vómito e diarreia em 30, ou 86%, das crianças, erupção cutânea em 13, ou 37%, e conjuntivite e 9, ou 26%. Vinte e uma crianças, ou 60%, estavam em choque. O estado clínico foi grave o suficiente para justificar o tratamento na unidade de cuidados intensivos pediátricos em 24 de 35 crianças, ou 69%, das quais 7, ou 20%, necessitaram de ventilação mecânica e 20, ou 57%, apoio inotrópico.

Duas crianças necessitaram de oxigenação extracorpórea por membrana (ECMO) devido a disfunção miocárdica grave. Testes de laboratório revelaram que todas as crianças tinham contagens anormais de glóbulos brancos.

Descobertas torácicas em menino de 5 anos de idade com síndrome inflamatória multissistémica em crianças. (a) A radiografia de tórax 4 dias após a admissão mostra o manguito peri-hilar da parede brônquica e espessamento intersticial com consolidação nebulosa do espaço aéreo circundante que se estende em direção às periferias. (b, c) A TC de tórax com contraste coronal e axial 1 dia após a radiografia mostra consolidação difusa do espaço aéreo bilateral com um gradiente anteroposterior sugestivo de síndrome do desconforto respiratório agudo. © Radiological Society of North America

Prognóstico grave e alerta

O estudo identificou um padrão de descobertas de imagem no pós-COVID-19, incluindo inflamação das vias aéreas, edema pulmonar rapidamente progressivo, aneurismas das artérias coronárias e extensas alterações inflamatórias abdominais na fossa ilíaca direita.

Todas as 35 crianças foram submetidas a radiografia de tórax devido a febre, septicemia ou características de inflamação multissistémica. Dezanove radiografias eram anormais, sendo a descoberta mais comum o de espessamento da parede brônquica.

As descobertas predominantes na TC do tórax foram consolidação basal ou parte do pulmão preenchida com líquido, e colapso do pulmão com derrames pleurais ou acúmulo de líquido nas membranas externas dos pulmões.

Homem de 15 anos apresentando febre, septicemia e choque com comprometimento da função cardíaca. A reconstrução coronal de um tórax com TC com contraste mostra múltiplos focos de consolidação redondos com halos de vidro fosco circundantes (seta vermelha). © Radiological Society of North America

As descobertas na ultrassonografia abdominal incluíram alterações inflamatórias na fossa ilíaca direita, com encordoamento mesentérico de gordura, linfadenopatia e espessamento da parede intestinal, além de líquido livre na pelve.

“Como radiologistas pediátricos, estávamos interessados ​​no padrão emergente de descobertas de imagem que observamos nessas crianças”, referiu Shema Hameed. “Nossa intenção é levar essas descobertas à atenção da comunidade radiológica em geral”.

Os autores recomendam que estudos futuros incluam um grupo maior de pacientes, utilizando idealmente bancos de dados multicêntricos para avaliar as descobertas radiológicas ao longo do complexo curso clínico desses pacientes jovens.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!