Longevidade das pessoas ligada aos níveis de ferro no sangue

Cientistas descobriram que os níveis de ferro no sangue estão ligados a uma maior longevidade e melhor saúde. A descoberta pode explicar por que algumas pessoas envelhecem mais depressa que outras.

0
Longevidade das pessoas ligada aos níveis de ferro no sangue
Longevidade das pessoas ligada aos níveis de ferro no sangue. Foto: © Rosa Pinto

Um estudo internacional de grande escala, que usou dados genéticos de mais de um milhão de pessoas, mostrou que os níveis de ferro no sangue podem ser a chave para retardar o envelhecimento.

Os resultados do estudo podem acelerar o desenvolvimento de medicamentos para reduzir doenças relacionadas à idade, prolongar anos de vida saudáveis ​​e aumentar as possibilidades de viver até a velhice sem doenças.

Cientistas da Universidade de Edimburgo e do Instituto Max Planck de Biologia do Envelhecimento, na Alemanha, concentraram-se em três medidas ligadas ao envelhecimento biológico – vida útil, anos de vida livres de doenças (saúde) e vida extremamente longa (longevidade).

O envelhecimento biológico – a taxa em que nosso corpo diminui ao longo do tempo – varia entre as pessoas e causa as doenças mais fatais do mundo, incluindo doenças cardíacas, demência e cancro.

Os investigadores reuniram informações de três conjuntos de dados públicos para permitir uma análise com detalhes sem precedentes. O conjunto de dados combinados foi equivalente a estudar 1,75 milhões de vidas úteis ou mais de 60.000 pessoas de vida extremamente longa.

A equipa de investigadores identificou dez regiões do genoma ligadas a vida longa, saúde e longevidade. Os investigadores descobriram que conjuntos de genes ligados ao ferro estavam super-representados nas análises das três medidas de envelhecimento.

Os investigadores confirmaram isso usando um método estatístico – conhecido como randomização mendeliana – que sugeria que os genes envolvidos no metabolismo do ferro no sangue são parcialmente responsáveis ​​por uma vida longa e saudável.

O ferro no sangue é afetado pela dieta e níveis anormalmente altos ou baixos estão relacionados a condições relacionadas à idade, como doença de Parkinson, doença hepática e um declínio na capacidade do organismo de combater infeções em idades mais avançadas.

Os investigadores, no artigo publicado na revista Nature Communications, referem que projetar um medicamento que possa imitar a influência da variação genética no metabolismo do ferro pode ser um passo futuro para superar alguns dos efeitos do envelhecimento, mas alerta que é necessário mais trabalho.

Paul Timmers, do Instituto Usher da Universidade de Edimburgo, referiu: “Estamos muito animados com essas descobertas, pois sugerem fortemente que altos níveis de ferro no sangue reduzem os nossos anos saudáveis ​​de vida e manter esses níveis sob controlo pode manter impedir dados relacionados com a idade”.

O investigador acrescentou: Consideramos que as nossas descobertas sobre o metabolismo do ferro também possam começar a explicar por que níveis muito altos de carne vermelha rica em ferro na dieta foram associados a condições relacionadas à idade, como doenças cardíacas”.

Joris Deelen, do Instituto Max Planck de Biologia do Envelhecimento, na Alemanha, referiu: “O nosso objetivo final é descobrir como o envelhecimento é regulado e encontrar maneiras de melhorar a saúde durante o envelhecimento. As dez regiões do genoma que descobrimos estão ligadas a expectativa de vida, expectativa de vida e longevidade são candidatos interessantes para estudos futuros “.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!