Medicina de precisão para tratamento do cancro

O eGARD é um novo sistema que estabelece a correlação entre anomalias genéticas do paciente de cancro e respostas a medicamentos. O sistema permite selecionar o medicamento com maior probabilidade de sucesso no tratamento.

0
Medicina de precisão para tratamento do cancro
Medicina de precisão para tratamento do cancro. Ilustração: Jeffrey Chase/Universidade de Delaware

Uma equipa de cientistas em computação da Universidade de Delaware e da Universidade de Georgetown desenvolveram um novo sistema para determinar rapidamente quais os medicamentos contra cancro mais suscetíveis de o poder combater com sucesso. O sistema baseia-se nos marcadores genéticos do paciente.

O eGARD é o primeiro sistema deste tipo, publicamente disponível, e a descrição do mesmo já foi publicada na revista ‘PLOS One’.

Os investigadores esclareceram que quando os genes de uma pessoa funcionam corretamente, são unidades direcionadas para a produção de proteínas que sustentam a vida, mas, às vezes, um gene é ‘desonesto’ e produz um tumor cancerígeno. Assim, quando os especialistas em cancro identificam esses genes defeituosos, podem elaborar planos de tratamento mais assertivos.

Os diversos dados que relacionam os fatores genéticos e os resultados do tratamento do cancro estão dispersos por centenas de revistas científicas e académicas, pelo que na prática impossibilita os médicos de estabelecer uma ligação entre os dados do doente e os melhores medicamentos.

Como funciona o eGARD

“eGARD is a text mining system that analyzes words and phrases in medical literature to find relationships between genomic anomalies and drug responses. “eGARD é um sistema de ‘mineração’ de texto que analisa palavras e frases na literatura médica para encontrar relações entre anomalias genómicas e respostas de medicamentos.

“Os médicos não têm tempo para ler todos os relatórios e a diversa literatura para cada tumor”, referiu Peter McGarvey, autor do estudo e investigador em bioquímica na Universidade de Georgetown. O sistema eGARD permite “ajudar a superar as impossibilidades dos médicos e especialistas geneticistas, e mesmo de empresas que já estão a analisar os dados de outras formas”.

A equipe de investigadores aplicou o eGARD a cerca de 36.000 resumos de estudos, recuperando 50 genes e 42 medicamentos contra o cancro, incluindo inibidores do ciclo celular, inibidores da quinase e tratamentos de anticorpos.

Os investigadores treinaram primeiro o sistema para identificar indicações de anomalias genéticas, com nomes científicos, como “excesso de expressão de ERCC1” ou “polimorfismos C677T e A1298C do gene MTHFR”.

De seguida treinaram o sistema para procurar texto e sugerir resultados de tratamento, como “resposta significativamente mais pobre” ou “taxa de sobrevivência”. E a seguir a pesquisa de palavras e frases que conectam uma anomalia genética, como “correlacionar”, “associar” ou “sensibilizar”.

Os investigadores conseguiram que o eGARD atingisse resultados com precisão de 95%. Para o investigador Vijay Shanker o sistema pode apoiar os oncologistas e pacientes com cancro.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!