Rastreio por PSA diminui mortes por cancro da próstata em 30%

Estudo em larga escala desenvolvido na Suécia concluiu que o rastreio por PSA permite reduzir as mortes por cancro da próstata em 30%. O estudo permite uma melhor avaliação para o lançamento de modelos de rastreio do cancro da próstata.

0
Rastreio por PSA diminui mortes por cancro da próstata em 30%
Rastreio por PSA diminui mortes por cancro da próstata em 30%. Maria Frånlund Foto: Andreas Broqvist

O exame de PSA diminui as mortes por cancro da próstata em cerca de 30%, conclui estudo que envolveu o acompanhamento de 20.000 homens ao longo de mais de duas décadas. O nível de PSA medido inicialmente nos homens mostrou ser um preditor altamente significativo de risco de cancro.

Maria Frånlund, da Universidade de Gotemburgo, Suécia e Chefe do Departamento no Hospital Universitário Sahlgrenska, indicou que a investigação desenvolvida é importante porque “mostra os efeitos a longo prazo de um programa de rastreio organizado na Suécia.”

As conclusões do estudo sobre o rastreio do cancro da próstata surgem após a última recomendação de 2018 do Conselho Nacional Sueco de Saúde e Bem-Estar, que indicou que os serviços de saúde não devem oferecer o rastreio do cancro da próstata apenas com teste de PSA, dado os inconvenientes do rastreio por PSA de sobrediagnóstico e sobretratamento serem superiores aos seus benefícios.

O estudo agora divulgado permitiu melhorar a compreensão das implicações do rastreio por PSA e dessa forma poder levar a um possível desenho de um futuro programa de rastreio para o cancro da próstata.

Redução de risco do rastreio por PSA

O trabalho de investigação de Maria Frånlund tem origem num grande estudo de base populacional que começou em Gotemburgo em 1995. O estudo é único em muitos aspetos e atualmente tem o mais longo período de acompanhamento de todos os estudos de rastreio sobre o cancro da próstata, em todo o mundo.

Inicialmente, o Rastreio do Cancro da Próstata com base na população e do tipo aleatório incluiu um total de 20.000 homens com idades entre os 50 e os 64 anos. Dez mil foram selecionados aleatoriamente para um grupo de rastreio a quem foi feito um teste de PSA de dois em dois anos e colhidas amostras de células quando foram detetados níveis elevados de PSA. Os outros 10.000 foram designados para o grupo de controlo.

Após 22 anos de acompanhamento, aproximadamente 300 homens morreram de cancro da próstata. O risco foi de cerca de 30% menor nos homens que foram submetidos a rastreio. Os homens com maior risco de morrer de cancro da próstata foram aqueles em que o rastreio começou após os 60 anos; homens que foram diagnosticados após deixar o estudo, com idade entre 70 e mais; e aqueles que foram convidados, mas não participaram de todo.

Nível inicial de PSA é importante

O estudo incluiu resultados sobre os homens que participaram do programa de rastreio e deixaram o estudo sem deteção de cancro da próstata. Entre esses homens, que foram monitorados durante nove anos após a triagem, foram encontrados cerca de 200 casos de cancro. Destes homens, 21 morreram devido à doença.

Os níveis de PSA do primeiro teste provaram ter um impacto importante nos resultados futuros do cancro, o que para os investigadores podem ser usados como estimativa de risco. Os resultados também mostraram que em homens com disfunção miccional – dificuldade em esvaziar a bexiga – o risco de cancro da próstata foi menor do nos homens que não apresentavam quaisquer sintomas durante o estudo.

Para reduzir ainda mais a mortalidade por cancro da próstata, é entendimento da investigadora que as idades para serem submetidos ao rastreio precisam de ser otimizadas, e que são necessárias estratégias para reduzir a taxa de desistência. Aos homens com boa saúde e com PSA acima de um certo nível (1,5 ng / ml) devem ser oferecidos exames contínuos após os 70 anos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!