Transmissão do coronavírus pelo ar: cientistas forçam medidas da OMS

Cientista explica carta enviada à Organização Mundial da Saúde focando a transmissão do novo coronavírus pelo ar e alerta para a necessidade de mais medidas para combater a propagação da COVID-19.

0
Transmissão do coronavírus pelo ar: cientistas forçam medidas da OMS
Brent Williams, investigador, Universidade de Washington em St. Louis. Foto: DR

Mais de 230 cientistas de todo o mundo, que assinaram uma carta dirigida à Organização Mundial da Saúde (OMS), indicam que “está na hora de lidar com a transmissão aérea da COVID-19” e que as organizações de saúde pública precisam de fazer outras recomendações para além da lavagem das mãos e do uso de máscaras.

Brent Williams, investigador, Universidade de Washington em St. Louis, é um dos especialistas em aerossóis que fizeram a revisão dos dados da carta antes de ser enviada à OMS e da sua publicação na revista Clinical Infectious Diseases.

As diretrizes de saúde pública devem abordar todos os caminhos potencialmente importantes para retardar a propagação da doença, afirmam os cientistas na carta. Isso inclui medidas que explicam a transmissão do novo coronavírus pelo ar, e referências ao aumento da ventilação, ventilação suplementar com controlos de infeção pelo ar e prevenção de superlotação de espaços.

“Na comunidade de investigação, o nosso foco principal é entender completamente os detalhes deste problema, para que possamos continuar a fornecer as informações mais precisas aos médicos especialistas e formuladores de políticas para os ajudar a tomar decisões informadas”, referiu Brent Williams.

O investigador explicou que “a comunidade de investigadores considerou que havia um atraso na política a acompanhar a ciência em andamento para caracterizar a transmissão deste vírus”.

Sobre a iniciativa dos cientistas Brent Williams responde a algumas questões consideradas oportunas para a compreensão da atual situação pandémica:

Brent Williams não é um epidemiologista ou médico. Como é que os seus conhecimentos figuram nesta situação?

“A minha investigação concentra-se em determinar as fontes, a transformação e o destino das partículas em ambientes interiores e exteriores. Trabalhamos para determinar moléculas marcadoras que podem ser usadas para distinguir a fonte exata de partículas, normalmente diferenciando entre partículas naturais que podem vir de árvores e vegetação versus partículas influenciadas por seres humanos que provêm de nossas atividades diárias, como geração de energia e calor, indústria, transporte e até dos produtos químicos que usamos nas nossas casas e nos nossos produtos para cuidados pessoais. Meu grupo de investigação também tem experiência em estudar o comportamento que ocorre quando se abrem janelas em residências para determinar os processos de mistura que ocorrem quando se combina o ar do interior e o ar do exterior, que é um tópico desta carta aberta.”

Já não sabíamos que o vírus se espalhou pelo ar? Não é por isso que estamos a usar máscaras? O que esta carta está diz além disso?

“A OMS e outras organizações de saúde pública ainda colocam grande parte de suas atuais orientações sobre a promoção da lavagem das mãos, distanciamento social e precauções contra gotículas a distâncias curtas (por exemplo, perímetro de 1,5 metro). Eles veem a transmissão aérea de partículas menores apenas como uma possível rota de exposição e, principalmente, apenas através de procedimentos de geração de aerossóis realizados em ambientes de assistência médica. No entanto, sabemos que as gotículas geradas pela fala regular, tosse, espirros, etc. geram partículas que encolhem rapidamente para tamanhos menores que podem ficar suspensas no ar por longos períodos de tempo (na escala de horas) e transferidos por longos períodos e distâncias (por exemplo, em toda a casa). Há evidências crescentes de que o vírus pode permanecer viável nessas micropartículas. Esse problema é especialmente crítico para ambientes interiores que podem estar cheios de pessoas e com ventilação inadequada”.

Qual é o tamanho de uma dessas micropartículas?

“Micropartícula não é um termo bem definido, mas em geral estamos preocupados com partículas menores que cerca de 5 micrómetros. Para comparação, a largura de um cabelo humano é de cerca de 70 micrómetros, portanto são partículas menores do que se consegue ver a olho nu. Uma vez menores do que 5 micrómetros, elas podem permanecer suspensas no ar por longos períodos.”

Por que as diretrizes recomendadas atualmente não são suficientes (lavar as mãos, usar uma máscara, ficar a 2 metros dos outros)?

“A maioria das máscaras é capaz de impedir que o fluxo das gotas maiores saia da boca; portanto, se todas as pessoas num ambiente estiverem a usar uma máscara, haverá poucas gotículas liberadas e micropartículas evaporadas resultantes. No entanto, basta apenas uma pessoa sem máscara para gerar micropartículas, e todos os demais com uma máscara ficam em risco, pois a maioria das máscaras não filtra bem as micropartículas, especialmente na faixa de tamanho de 0,1 a 1 micrómetro. Para reduzir as concentrações interiores de partículas, normalmente usamos procedimentos de ventilação mecânica (HVAC) ou natural (abertura de janelas). No entanto, limpar essas micropartículas de ambientes interiores pode ser um desafio. Os filtros HVAC têm uma eficiência de filtragem diminuída para partículas nessa faixa de pequenos tamanhos, e a abertura de janelas tem as suas próprias limitações em temperaturas extremas e diminui a eficácia quando o ar do exterior está estagnado. Purificadores de ar ambiente – filtros HEPA, por exemplo – podem ajudar a diminuir a concentração de micropartículas no interior.”

O que é que a sua investigação lhe diz sobre as melhores práticas quando se trata da propagação deste vírus?

“Eu recomendaria maior cautela em ambientes interiores, manter os níveis de ocupação no mínimo, usar máscaras em ambientes públicos partilhados e aumentar a ventilação e a filtragem do ar interior”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!