Doenças congénitas da glicosilação: falta diagnóstico e tratamento

As doenças congénitas da glicosilação apresentam um conjunto de sintomas que dificulta, muitas vezes, o diagnóstico. Rosália Ferreira alerta, neste seu artigo, para a necessidade do diagnóstico e a necessidade de terapêutica.

0
Rosália Ferreira, fundadora da Associação Portuguesa para as Doenças Congénitas da Glicosilação e outras Doenças Metabólicas Raras
Rosália Ferreira, fundadora da Associação Portuguesa para as Doenças Congénitas da Glicosilação e outras Doenças Metabólicas Raras. Foto: DR

As doenças congénitas da glicosilação (CDG), sigla do inglês) são uma família de patologias metabólicas raras, de cariz genético e hereditário. Atualmente são já conhecidas mais de 100 diferentes formas de CDG, na sua maioria síndromes multissistémicas, pediátricas e altamente incapacitantes.

Os doentes com CDG apresentam uma relevante afetação neurológica, atraso global do desenvolvimento, problemas cardíacos, hepáticos, oftalmológicos, imunológicos, entre outros.

Tratam-se de doenças raras com sintomas e formas de manifestação semelhantes a uma grande variedade de outras situações clínicas, o que dificulta, muitas vezes, a sua deteção. No entanto, um diagnóstico atempado é essencial para que os doentes e as suas famílias possam receber o melhor acompanhamento clínico disponível para cada tipo de CDG.

Existem diversos métodos de diagnóstico, sendo que alguns são específicos para alguns subtipos da doença. A focagem isoelétrica da transferrina (uma proteína modificada com açúcares, presente no sangue) é o método mais comum de rastreio para um grande número de CDG e envolve apenas uma simples análise sanguínea. Contudo, este não deixa de ser um teste preliminar. Posteriormente, é necessário que se realizem outras técnicas adicionais mais complexas, como a análise genética, para que se obtenha um diagnóstico definitivo.

Quando há um diagnóstico prévio na família, com alteração genética identificada, ou quando os sinais e sintomas exibidos pelo feto levem a suspeita de CDG, o diagnóstico pode e deve ser feito em período pré-natal.

Atualmente, a grande maioria das CDG não tem qualquer terapia disponível. Alguns subtipos parecem beneficiar da ingestão de alguns tipos de açúcares, sendo que, para a maior parte dos doentes, apenas é possível fazer a gestão das diferentes manifestações clínicas prevenindo e/ou tratando as complicações.

Muitos dos desenvolvimentos que se têm verificado na área das CDG prendem-se, sobretudo, com a identificação e descrição de novos tipos da doença e com os métodos de diagnóstico, existindo ainda uma grande lacuna e um longo caminho a percorrer na área da terapêutica.

Estima-se que, na sua forma mais frequente (CDGla), a doença afete 1 em cada 20 mil pessoas em todo o mundo.

Autora: Rosália Ferreira, fundadora da Associação Portuguesa para as Doenças Congénitas da Glicosilação e outras Doenças Metabólicas Raras

Associação Portuguesa para as Doenças Congénitas da Glicosilação e outras Doenças Metabólicas Raras (APCDG) é uma organização sem fins lucrativos destinada à promoção de pesquisas inovadoras que façam a diferença na vida dos pacientes e de seus familiares. As ações desta associação são realizadas a nível nacional e internacional.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!