Crianças enfrentam risco de complicações graves e morte pela COVID-19

Estudo de investigação conclui que, ao contrário do que se pensava, as crianças, adolescentes e jovens adultos correm risco de complicações graves e a morte no caso de serem infetadas com a COVID-19. Crianças com outras doenças correm ainda maior risco.

0
Crianças enfrentam risco de complicações graves e morte pela COVID-19
Crianças enfrentam risco de complicações graves e morte pela COVID-19

Crianças, adolescentes e jovens adultos correm maior risco de complicações graves da COVID-19 do que se pensava anteriormente e os que possuam menores condições de saúde correm ainda mais riscos, a conclusão é de um estudo já publicado na JAMA Pediatrics.

“A ideia de que a COVID-19 poupa os jovens é falsa”, referiu Lawrence C. Kleinman, responsável pela Divisão de Ciências da Saúde, Qualidade e Implementação da População do Departamento de Pediatria da Escola de Medicina Rutgers Robert Wood Johnson, e coautor do estudo. “Embora seja mais provável que as crianças fiquem muito doentes se tiverem outras condições de saúde crónicas, incluindo a obesidade, é importante observar que as crianças sem doenças crónicas também estão em risco. Os pais precisam de continuar a levar o vírus a sério”.

O estudo acompanhou 48 crianças e jovens adultos até aos 21 anos – que foram admitidos em março e abril, em unidades de terapia intensiva pediátrica (UTIP) nos Estados Unidos e no Canadá para a COVID-19. Mais de 80% apresentavam condições de saúde crónicas, como supressão imunológica, obesidade, diabetes, convulsões ou doença pulmonar crónica. Destes, 40% dependiam de suporte tecnológico devido a atrasos no desenvolvimento ou anomalias genéticas.

Mais de 20% experimentaram falha de dois ou mais sistemas orgânicos devido à COVID-19 e quase 40% necessitaram de tubo de respiração e ventilador. No final do período de acompanhamento, quase 33% das crianças ainda estavam hospitalizadas devido à COVID-19, com três ainda a exigir apoio do ventilador e uma no suporte à vida. Duas das crianças admitidas durante o período de três semanas do estudo morreram.

“Este estudo fornece uma compreensão básica do ónus da doença precoce da COVID-19 em pacientes pediátricos”, referiu Hariprem Rajasekhar, intensivista pediátrico envolvido na condução do estudo do Departamento de Pediatria da Escola Médica Robert Wood Johnson. “As descobertas confirmam que esta doença emergente já estava disseminada em março e que não é benigna entre as crianças”.

Os investigadores referiram que foram “cautelosamente encorajados” pelos resultados hospitalares das crianças estudadas, que apresentaram uma taxa de mortalidade de 4,2% em pacientes em unidades de terapia intensiva pediátrica em comparação com as taxas de mortalidade publicadas que vão até 62% entre os adultos admitidos nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), bem como menores incidências de insuficiência respiratória.

Lawrence C. Kleinman indicou que os médicos na área metropolitana de Nova Iorque estão ver o que parece ser uma nova síndrome relacionada ao COVID em crianças.

“Embora a nossa recolha de dados para este estudo tenha terminado, continuamos a desenvolver colaborações com colegas … para tentar entender estas complicações mais graves”, referiu o investigador, e manifestou preocupações como a insuficiência cardíaca e a doença de Kawasaki, uma condição denominada síndrome inflamatória multissistémica pediátrica.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!