Pacientes de cancro retal beneficiam com menos quimioterapia

Estudo mostrou que uma menor dose quimioterapia neoadjuvante, em pacientes de cancro retal, tem um efeito benéfico duplo, ao reduzir os efeitos colaterais e ao diminuir mais o tumor do que um regime de quimioterapia completo.

0
Pacientes de cancro retal beneficiam com menos quimioterapia
Pacientes de cancro retal beneficiam com menos quimioterapia. Ashley E. Glode . Foto: © University of Colorado Cancer Center

A quimioterapia usada para diminuir um tumor antes da cirurgia, designada quimioterapia neoadjuvante, está a tornar-se uma terapia comum em muitos tipos de cancro, incluindo no cancro retal nos estágios II e III. No entanto, os regimes de quimioterapia CapeOx e FOLFOX usados ​​apresentam efeitos colaterais significativos, o que leva a que muitos pacientes não consigam concluir o regime prescrito.

Um estudo do Centro de Cancro da Universidade do Colorado, EUA, apresentado no Simpósio de Cancro Gastrointestinal de 2020 mostrou que os pacientes com cancro retal local avançado que receberam quimioterapia neoadjuvante em doses inferiores às recomendadas viram os tumores diminuem mais do que os pacientes que receberam a dose completa.

Ashley E. Glode, autor do estudo, referiu: “Acho que precisamos de estudos maiores para explorar terapia menos intensiva – talvez doses mais baixas, talvez um período mais curto de tratamento – para ver qual é a dose ideal antes da cirurgia”.

Em alguns tipos de cancro, o tumor pode estar entrelaçado com órgãos e vasos sanguíneos próximos, a ponto de a cirurgia não ser inicialmente uma opção. A maioria dos pacientes com cancro retal local avançado é candidata a cirurgia, mas a quimioterapia usada para diminuir o tumor antes da cirurgia tem sido associada a cirurgias mais bem-sucedidas e a uma menor taxa de recorrência do cancro.

Christopher Lieu, investigador envolvido no estudo, indicou que pacientes que não conseguiam concluir o período prescrito de quimioterapia neoadjuvante tiveram resultados semelhantes ou até melhores do que os pacientes que receberam a dose completa.

No estudo que envolveu 48 pacientes, apenas 12,5% foram capazes de tolerar a dose total de quimioterapia. Devido aos efeitos colaterais, dos seis pacientes que tomaram o regime CapeOx nenhum completou a dose recomendada.

“O CapeOx é uma opção de tratamento geralmente tomada em casa como um pílula, por isso é mais fácil para os pacientes e só precisam receber infusão uma vez a cada três semanas. Mas o regime não foi tolerado por nenhum paciente deste estudo. Isso nos faz pensar que não devemos oferecer a opção do CapeOx e aderir ao FOLFOX ”, referiu Ashley E. Glode.

Os médicos normalmente utilizam todos os meios para que os pacientes cumpram o regime terapêutico as doses altas e recomendadas. “Mas, com base nas nossas observações e neste estudo inicial, estamos a começar a falar em ter menos hesitação em deixar de insistir com uma alta dose ou pelo menos diminuir essa dose”, referiu Christopher Lieu

Em 42 pacientes que receberam menos do que a dose total de FOLFOX, 45% tiveram uma resposta completa, o que significa que o cancro era indetetável após o tratamento, sendo que para oito casos já não houve a necessidade de cirurgia. Houve 6 pacientes que receberam a dose completa de FOLFOX, e 33% tiveram uma resposta completa.

Ashley E. Glode concluiu que no caso dos pacientes que tomam mais quimioterapia têm mais efeitos colaterais, e quando tomam menos quimioterapia os efeitos parecem ser mais benéficos para a saúde do paciente.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!